Um Natal à grande – e à sueca

17 Dezembro 20181.648

Glögg e lussekatter são apenas duas das palavras que dão cor – e sabor – às tradições suecas de Natal. Mas, da iluminação à mesa de jantar, há muito mais para descobrir... e experimentar.

A luz

Num país onde as horas de inverno (se) passam às escuras, luzes e velas tornam-se obrigatórias, iluminando os dias que se contam até à noite de Natal.

A janela

A iluminação de Natal de uma casa sueca – sejam as clássicas luzes ou as típicas estrelas de luz — coloca-se nas janelas.

O Glögg

Não é exclusivo do Natal, mas tem presença certa nesta época: o Glögg, vinho quente com especiarias, deve ser bebido à chegada dos convidados e, além de ajudar a celebrar, é a melhor maneira de aquecer.

Os bolos de açafrão

Indispensáveis na mesa de Natal sueca, os bolos de açafrão (lussekatter) são mais do que uma delícia da época: para lá da doçura, são também oferenda certa entre amigos e família, no Dia de Santa Luzia (13 de dezembro).

A massa do gengibre

Acompanha o queijo azul, o glögg ou o café – a massa de gengibre adoça o Natal sueco tanto pelo sabor como pelo pretexto de juntar pais e filhos na confeção de bolachas, bonecos e casinhas de enfeitar (e deliciar).

O buffet

O dia 24 sueco não é assim tão diferente do dia 24 português. Assemelham-se na quantidade e na partilha, diferem nos sabores: salmão, almôndegas, queijos, frios, pão, batatas, fiambre e muito (muito) mais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)