Estão a circular nas redes sociais várias fotografias de ruas repletas de gente que, de acordo com essas publicações, mostram as manifestações em Berlim contra “a farsa do Covid”, “o cerceamento de direitos” e a “fantasiosa pandemia”. Mas a Covid-19 não é uma farsa, nem uma fantasia. E as fotografias não são de manifestações relacionadas com a pandemia.

Numa das publicações, o autor partilhou a imagem de uma multidão numa avenida e afirmou que, “contra a farsa do covid, juntaram-se mais de dois milhões de pessoas ontem [dia 1 de agosto] em Berlim”. A mesma fotografia surge numa outra publicação, também ela com data de 2 de agosto. Mas, desta vez, o internauta contabiliza 1,3 milhões de pessoas, que supostamente se tinham reunido em Berlim no dia anterior “contra a fantasiosa ‘pandemia’, uso de máscaras e medidas discricionárias com antecipação do futuro de escravidão que tentam desenhar-nos”.

De facto, como noticiado pela BBC, milhares de pessoas — 20 mil nas contas da polícia, mais de um milhão de acordo com os organizadores do evento — saíram às ruas a 1 de agosto para protestar contra as medidas restritivas impostas pelo governo da Alemanha num esforço para controlar a epidemia de Covid-19. No entanto, a fotografia em causa, utilizada nas redes sociais, não foi captada nessas manifestações, mas sim num festival de música eletrónica.

Uma busca pela imagem leva-nos até ao Nineties Berlin, um site dedicado a uma exposição multimédia que pretende retratar como era a capital alemã nos anos 90. Em março do ano passado, o projeto anunciava que “está à procura de vídeos e fotografias da Love Parade“, um festival de música eletrónica que celebrou 30 anos em 2019. Uma das imagens que ilustra a página é precisamente aquela que foi publicada no Facebook como sendo das manifestações em Berlim. Na verdade, são da Love Parade de 2003 e pertencem a Matthias Roeingh.

Uma dessas publicações partilhou também uma segunda imagem que, tal como a primeira, não pertence às manifestações berlinenses. Uma nova busca prova que também ela foi captada no festival Love Parade, desta vez em 2006, e foi publicada no site do jornal diário alemão Der Tagesspiegel.

Outra fotografia que está a ser atribuída às manifestações em Berlim contra as medidas restritivas relacionadas com a Covid-19 é a de uma multidão junto a uma fonte, onde se veem algumas carrinhas e tendas. A imagem é verdadeira, mas nada tem a ver com esses protestos: está disponível na plataforma Alamy e retrata uma manifestação a favor do movimento Black Lives Matter, que se realizou na capitão alemã, em junho.

A terceira e última imagem é, mais uma vez, de uma multidão concentrada nas ruas. Foi partilhada como um “retrato de um país com cidadãos conscientes e corajosos” e “uma mensagem poderosa contra o regime”. Noutra publicação, o autor descreve a foto como “uma imensidão de pessoas” que “resolveu protestar contra o cerceamento de direitos naquilo que o controle social chama de ‘segunda onda'”. E, por cima da imagem, uma legenda: “Berlim nas ruas, pela liberdade”.

A fotografia é real, mas foi captada na Street Parade, um festival de música eletrónica em Zurique, na Suíça, em 2018. Esta fotografia aérea (e outras semelhantes) surgem no álbum de fotografias disponibilizado no site do evento, que pode consultar aqui. Não mostra, portanto, as manifestações contra as medidas de restrição impostas pela epidemia de Covid-19 na Alemanha.

Conclusão

Apesar de ser verdade que milhares de pessoas saíram às ruas em Berlim para se manifestarem contra as medidas de restrição que o governo alemão impôs para controlar a epidemia da Covid-19, nenhuma das imagens que surgem nestas publicações corresponde a esses protestos.

Duas delas são de duas edições de um festival de música eletrónica em Berlim. Outra, mostra um protesto do movimento Black Lives Matter que se realizou este ano em Berlim. E uma terceira imagem é, na verdade, de um outro festival de música eletrónica, tirada desta vez em Zurique, na Suíça, em 2018. Nenhuma das imagens foi captada durante os protestos que tiveram lugar em Berlim contra as restrições impostas pelas autoridades alemãs para impedir o contágio da Covid-19.

Assim, segundo a classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: As principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

Nota 2: O Observador faz parte da Aliança CoronaVirusFacts / DatosCoronaVirus, um grupo que junta mais de 100 fact-checkers que combatem a desinformação relacionada com a pandemia da COVID-19. Leia mais sobre esta aliança aqui.

IFCN Badge