Uma publicação no Facebook do passado dia 15 de novembro garante que um homem foi “condenado à morte na Síria por pregar o Evangelho”. Nessa publicação vem ainda anexada uma imagem do suposto condenado onde, apesar de estar com uma corda à volta do pescoço, está a acenar a quem assistia ao enforcamento e a sorrir.  O motivo para a alegria demonstrada, apesar de o momento ser trágico, é, segundo o autor, simples de explicar: “Sabe que está a chegar a sua hora de se encontrar com Cristo.” Trata-se, no entanto, de uma publicação falsa.

Quando se faz uma busca pelas informações divulgadas não se encontram notícias que comprovem a veracidade do que é defendido na publicação original. No entanto, assim que é usada a ferramenta de identificação de imagens, Google Images, o resultado é outro. Apesar de a imagem ser verdadeira, a história foi inventada. O homem que se vê na imagem é Majid Kavousifar que, tal como o seu sobrinho, foi executado em 2007 depois de ter morto um juiz no Irão. O fact-checker internacional do jornal India Today também chegou à mesma conclusão.

De facto, ao pesquisar pela versão real, encontram-se diferentes resultados que dão razão ao fact-checker indiano. Por exemplo, a BBC noticiou que “os assassinos de Teerão foram enforcados em público”. Aquela teria sido a primeira execução pública desde 2002. E foi aplicada depois de se ter dado como provado que estes dois homens teriam assassinado um juiz, em 2005, na capital iraniana.

Quanto à alegada boa disposição manifestada por Kavousifar, é um facto que o homem sorria instantes antes de ver ser cumprida a pena que lhe foi aplicada. Mas, na verdade, Kavousifar estaria a acenar para o seu sobrinho momentos antes da execução pública.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A agência Reuters também noticiou o enforcamento, tendo partilhado mais informações sobre o assassinato: o juiz era Hassan Moghaddas e foi executado no seu carro. O motivo para o desfecho mais violento foi, ao que foi apurado durante no processo, a crença de que o juiz seria corrupto.

Não há, em qualquer notícia do episódio, referência a Evangelhos, a Jesus Cristo ou à possibilidade de o enforcamento ter acontecido na Síria.

Conclusão

Não é verdade que um homem tenha sido condenado por enforcamento depois de ter pregado o Evangelho na Síria. Essa execução ocorreu no Irão, em 2007, depois de o homem que surge na fotografia ter assassinado, juntamente com o seu sobrinho, um juiz.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge