Moussa Marega chegou ao FC Porto a meio da temporada 2015/16, proveniente dos madeirenses do Marítimo. Até ao final da época, marcou apenas um golo e só participou em 13 jogos, números escassos que na altura motivaram um empréstimo ao V. Guimarães. No D. Afonso Henriques, fez 14 golos em 41 partidas e justificou um regresso aos dragões, onde acabaria por se tornar uma das principais referências ofensivas dos últimos anos.

Há cerca de duas semanas, com a Primeira Liga ainda por terminar e ao fim de quatro temporadas consecutivas em que fez sempre mais de 40 jogos e marcou um total de 71 golos, o avançado maliano confirmou que vai deixar o FC Porto. Depois de ter começado a época ciente de que era a última prevista no contrato, a par de nomes como Otávio ou Sérgio Oliveira, Marega não chegou a acordo com o clube para renovar o vínculo e assinou pelo Al-Hilal da Arábia Saudita. Aos 30 anos e depois de ter conquistado dois Campeonatos, uma Taça de Portugal e uma Supertaça Cândido de Oliveira, o jogador sai do Dragão a custo zero e sem garantir qualquer encaixe financeiro ao clube.

Não houve fumo sem fogo: Marega vai mesmo deixar o FC Porto e reforçar o Al Hilal (por 15 milhões de euros em três épocas)

Tudo isto leva-nos a uma publicação no Facebook, no passado dia 18 de maio de 2021, onde Moussa Marega é citado a garantir que decidiu sair do FC Porto devido ao “abuso dos adeptos” em relação ao facto de ser negro. “Foi difícil permanecer no FC Porto e enfrentar mais abuso dos adeptos. Eu decidi desistir. Sempre me esperaram perfeito e os outros podiam errar sem problemas, mas eu não. Um erro meu, sou abusado durante todo o mês sem a equipa intervir na matéria. Agora decidi sair da Europa para outro continente, tive ofertas de todos os ângulos mas só queria esquecer a Europa. Não suporto besteiras e abusos. O futebol está em todo o lado, não só na Europa. Então a decisão é minha de sair da Europa devido a abusos. Tantas pessoas estão a perguntar-me por que é que eu não me mudei para Inglaterra ou França. Disse-lhes que é o mesmo, pessoas da minha cor são abusadas mais vezes na Europa, não importa em que país, são as mesmas. Estou aqui para relaxar e sentir-me um ser humano novamente. Já me chamaram pelo nome de animal há demasiado tempo, quase que me esqueci de que sou mesmo humano”, pode ler-se na publicação partilhada no Facebook.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A declaração surge entre aspas e acompanhada pela fotografia oficial de Marega a assinar contrato, sugerindo que se trata de palavras proferidas pelo internacional maliano aquando do anúncio do acordo com o Al-Hilal.

Desde o dia em que surgiu no Facebook, a 18 de janeiro, a publicação já conta com 100 partilhas

Moussa Marega fez apenas uma declaração pública sobre a saída do FC Porto. Esta segunda-feira, dia 24 de maio e já depois do final do Campeonato, o avançado recorreu ao Twitter para se despedir do clube e demonstrar alguma desilusão — mas apenas pelo facto de não ter voltado a jogar depois de ser confirmada a transferência para a Arábia Saudita.

“Gostaria de expressar a minha sincera gratidão a toda a nação portista, adeptos, jogadores e equipa técnica, staff e membros da direção deste grande clube. Em particular, agradeço ao presidente e ao mister Sérgio Conceição que sempre me ajudaram e apoiaram em todos os momentos. Foram cinco épocas com a camisola azul e branca e é com muito prazer que farei sempre parte desta família portista, cujos adeptos vivem o clube com uma paixão incrível! São anos que jamais irei esquecer: anos de muita luta, esforço, ambição e dedicação. Desejo muito sucesso ao FC Porto, que consiga conquistar muitos títulos… Por mais numerosos que sejam, nunca serão demasiados para a grandeza deste clube. Não esperava uma saída como esta, que me deixa um pequeno gosto amargo e que lamento, mas vou guardar apenas os bons momentos que passámos juntos e que são mais do que muitos. O FC Porto tornou-se no meu clube do coração e no meu coração ficará para sempre. Vemo-nos em breve”, escreveu Marega.

Marega marcou, festejou a apontar para o braço, fugiu de cadeiras, ouviu insultos racistas e saiu – tudo em dez minutos

O avançado internacional pelo Mali nunca disse, a qualquer meio de comunicação social ou nas redes sociais, que tinha decidido sair do FC Porto e da Europa devido “ao abuso dos adeptos” ou a qualquer questão racial. Na origem desta publicação do Facebook poderá estar, eventualmente, o episódio de racismo de que Marega foi vítima, em fevereiro de 2020, no Estádio D. Afonso Henriques e a partir dos adeptos do V. Guimarães — mas o jogador nunca foi citado a justificar a saída com esse caso. A única desilusão reconhecida por Marega foi mesmo o facto de não ter voltado a ser utilizado por Sérgio Conceição a partir do momento em que ficou confirmado que iria sair do FC Porto.

Desde o dia 18 de janeiro, a publicação no Facebook já foi partilhada 100 vezes e conta com 229 comentários e quase 400 likes.

Conclusão

Falso. Apesar de ter demonstrado alguma desilusão pela forma como saiu do FC Porto, Moussa Marega nunca justificou a decisão com o abuso dos adeptos ou qualquer outra questão relacionada com racismo.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

NOTA: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook

IFCN Badge