Dark Mode 46 kWh poupados com o MEO
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Hoje é um bom dia para mudar os seus hábitos. Saiba mais

Marega marcou, festejou a apontar para o braço, fugiu de cadeiras, ouviu insultos racistas e saiu – tudo em dez minutos

Foram dez minutos que tiveram Marega como protagonista e não mais serão esquecidos. "Somos uma família, independentemente da nacionalidade, da cor da pele, da altura, da cor do cabelo", diz Conceição.

i

Alex Telles foi um dos vários jogadores que tentaram evitar a saída de Marega de campo, sem efeito: o maliano abandonou mesmo o jogo

AFP via Getty Images

Alex Telles foi um dos vários jogadores que tentaram evitar a saída de Marega de campo, sem efeito: o maliano abandonou mesmo o jogo

AFP via Getty Images

Foram apenas dez minutos mas mudaram não só a história do V. Guimarães-FC Porto mas também do futebol português, que pela primeira vez teve na Primeira Liga um caso mais evidente de racismo que levou Moussa Marega a sair de campo apesar das tentativas de vários companheiros e elementos da equipa técnica de serenar o maliano, que se dirigiu mesmo para os balneários sendo substituído por Wilson Manafá. “Tenham vergonha, car****, tenham vergonha!”, gritava Sérgio Conceição para a bancada mais próxima do banco dos azuis e brancos, enquanto o avançado fazia o gesto com os indicadores para baixo reprovando o que tinha acontecido.

O que aconteceu ao certo nesses dez minutos? Marega quebrou uma série de nove jogos consecutivos sem marcar (o último golo tinha sido em Alvalade frente ao Sporting), terá exagerado nos festejos – o que lhe valeu mesmo um cartão amarelo de Luís Godinho, apesar de no final ter justificado que estava a apontar para o braço para mostrar a sua cor de pele – e fugiu de algumas cadeiras que foram sendo arremessadas das bancadas nessa fase. A partir daí, o jogador que passou pelos minhotos em 2016/17 antes de voltar ao FC Porto com Conceição passou a ser muito assobiado sempre que tocava na bola, acrescentando-se depois aí barulhos que imitavam um macaco, o que acabou por ser a gota de água que fez transbordar o copo do maliano.

Apesar de estarem cientes do que se passava, vários jogadores do FC Porto foram tentando evitar a saída de campo de Marega, entre Sérgio Oliveira, Alex Telles, Marcano e o próprio Sérgio Conceição, tal como já tinha acontecido com jogadores dos vimaranenses como Pedro Henrique ou Sacko. No entanto, nada demoveu a vontade do maliano, que saiu muito assobiado e mais uma vez com alguns insultos racistas que ensombraram o jogo.

“O que tenho a dizer… Perdoem-me as pessoas de não falar sobre o jogo, sobre aquilo que foram as dinâmicas e as substituições, mas tudo passa para segundo plano depois daquilo que se passou aqui hoje. Estamos completamente indignados com o que se passou. Sei da paixão que existe aqui no Vitória pelo clube mas a maior parte não se revê neste tipo de coisas. Estavam a insultar desde aquecimento o Moussa [Marega] e nós aqui somos uma família, independentemente da nacionalidade, da cor da pele, da altura, da cor do cabelo”, começou por dizer Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, na zona de entrevistas rápidas da SportTV. “Somos uma família, somos humanos e aquilo que se passou aqui hoje foi lamentável”, acrescentou, antes de sair de rompante numa posição de força que já tinha ficado expressa com a ausência de jogadores na flash interview.

“Gostaria apenas de dizer a esses idiotas que vêm ao estádio fazer gritos racistas … vá-se f****! Também agradeço aos árbitros por não me defenderem e por me terem dado um cartão amarelo porque defendo a minha cor da pele.
Espero nunca mais encontrá-lo em um campo de futebol! VOCÊ É UMA VERGONHA !!!!”, escreveu Marega no Instagram, pouco depois do final do encontro e com uma foto de quando descia para os balneários.

View this post on Instagram

Gostaria apenas de dizer a esses idiotas que vêm ao estádio fazer gritos racistas … vá se foder ???????????????? E também agradeço aos árbitros por não me defenderem e por terem me dado um cartão amarelo porque defendo minha cor da pele. Espero nunca mais encontrá-lo em um campo de futebol! VOCÊ É UMA VERGONHA !!!!

A post shared by Moussa Marega (@marega11) on

“Na sequência do crime de que foi vítima o jogador Moussa Marega durante o jogo Vitória de Guimarães-FC Porto, o FC Porto comunica que: 1) Toda a estrutura do FC Porto e os seus adeptos estão solidários com Moussa Marega, que foi levado a tomar uma atitude drástica na sequência de insultos racistas reiterados; 2) O FC Porto repudia e condena veementemente os comportamentos racistas desta tarde, que constituem um dos momentos baixos da história recente do futebol português e terão de ser devidamente penalizados; 3) O FC Porto manter-se-á na linha da frente da luta contra o racismo e os crimes de ódio e a sua equipa mantém a vontade de continuar a combatê-los no campo”, escreveu o FC Porto em comunicado no site oficial do clube.

“O Vitória Sport Club tem como cores o preto e branco porque na génese tem a igualdade de raças. Também nós temos jogadores de todas as cores e raças. Promovemos a igualdade de género e raça no desporto. Não nos revemos nestes comportamentos que possam ferir esta igualdade. Se algum dos adeptos do Vitória teve comportamento destes o clube vai tomar as medidas correspondentes. No entanto, houve comportamento provocatórios de profissionais de futebol que pretenderam incendiar o espetáculo. O Vitória promove a igualdade e na sua génese tem esses princípios. Na entrada do estádio existe uma frase alusiva a isso mesmo”, comentou Miguel Pinto Lisboa, presidente dos vimaranenses, o que mereceu pronta reação de Francisco J. Marques: “Este negacionista finge que não ouviu (…) Queremos futebol com Marega e sem Pinto Lisboa”.

“O Vitória Sprt Clube, ciente da responsabilidade de uma instituição de utilidade pública com quase cem anos de história, não deixará de censurar toda e qualquer manifestação de violência, racismo ou intolerância. Daí nada se alcança, senão mais violência, mais racismo e mais intolerância. Por essa razão, o Vitória Sport Clube não encara a violência e a intolerância associada ao desporto como uma luta, um combate ou até mesmo, como para alguns, uma guerra. A história, o presente e os símbolos do clube são tributários de uma identidade inclusiva, integradora e assente em valores de igualdade e universalidade, sendo esta, para nós, a única abordagem capaz de erradicar a discriminação no desporto e na sociedade”, responderam os vitorianos em comunicado.

“Em consonância com esses princípios e valores, o Vitória Sport Clube vai averiguar o sucedido no decurso do jogo realizado no Estádio D. Afonso Henriques, agindo com firmeza e consequência, em cooperação plena com as entidades judiciais competentes. A gravidade e a seriedade com que o Vitória Sport Clube perspetiva este assunto não se coaduna com qualquer desculpabilização legitimadora de comportamentos racistas ou discriminatórios, pelo que não se revê no comentário inapropriado do Presidente da Assembleia Geral do clube a este propósito. O Vitória Sport Clube é preto e branco, de pretos e de brancos. As vítimas são de todas as cores e de todos os clubes”, completou a missiva da formação minhota, demarcando-se de declarações de José Antunes, líder da Mesa da Assembleia Geral, que segundo O Jogo escreveu no Facebook “Marega devia ir ao psiquiatra”.

As reações não se fizeram esperar e, depois de o próprio FC Porto ter colocado um vídeo no Instagram contra o racismo, vários outros clubes, instituições e jogadores foram deixando as suas mensagens nas redes sociais.

“O Sporting vem por este meio manifestar a sua solidariedade com o jogador Marega do FC Porto e repudiar qualquer ato de racismo e preconceito social. Os valores que o Sporting defende não se reveem neste tipo de comportamento e consideramos, mais uma vez, que as autoridades devem agir em nome de todos aqueles que pretendem elevar o desporto e a sociedade portuguesa. Os acontecimentos desta tarde em Guimarães merecem toda a nossa atenção e preocupação e apenas em conjunto conseguiremos erradicar estas atitudes dos estádios em Portugal. Ao jogador, todo o nosso apoio”, defenderam os leões em comunicado no site oficial.

“Os comportamentos racistas são intoleráveis numa sociedade aberta e evoluída. Os autores de insultos racistas devem ser identificados e levados perante a Justiça. A Federação Portuguesa de Futebol repudia comportamentos racistas, venham de onde vierem e seja qual for o local em que se verifiquem. Este domingo à noite, o jogador Moussa Marega foi alvo de insultos racistas que não podem deixar de ser severamente punidos, num episódio grave e condenável. Nenhum cidadão pode rever-se e muito menos pactuar com atitudes racistas e xenófobas. A Federação Portuguesa de Futebol manifesta a sua solidariedade com o atleta Moussa Marega. Enquanto presidente da FPF, asseguro que tudo continuarei a fazer para que os adeptos que não respeitam o futebol fiquem definitivamente à porta dos estádios. Este é um combate urgente de toda a sociedade”, escreveu Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, numa nota deixada no site oficial da FPF.

“A Liga tem tido um papel extremamente ativo no combate ao racismo e xenofobia, mas no combate à violência no desporto e no futebol em particular. Há pouco mais de uma semana, estive reunido com o ministro da Administração Interna, fazendo e reivindicando intervenções de natureza objetiva e subjetiva. Queremos que, claramente, aos adeptos que não têm comportamentos condignos, sejam aplicadas medidas sancionatórias de interdição de acesso a recintos desportivos e sejam acompanhados do dever de apresentação junto das autoridades às horas dos jogos das sociedades desportivas infratoras”, disse Pedro Proença, líder da Liga, à Lusa.

Quaresma solidário com Marega, lembra que também já foi “vítima de racismo”

Também Ricardo Quaresma já se manifestou solidário com o maliano. “Gostava de expressar toda a minha solidariedade para com o Marega. Também eu já fui várias vezes vítima de racismo dentro e fora de campo”, lamentou o jogador que representa os turcos do Kasimpasa, numa publicação na rede social Facebook.

O veterano avançado, de 36 anos, observou que “a cor da pele ou a raça do jogador não podem ser argumentos para ofender e tentar desconcentrar um jogador de futebol” e que “o racismo não pode ter lugar” na sociedade, sendo “um crime que deve ser punido”.

Mas a indignação com o que se passou não se ficou por aqui. Têm sido muitas as reações de apoio a Marega:

View this post on Instagram

Force à toi frérot

A post shared by caelitus ???? (@aboubakarvincent) on

View this post on Instagram

Oh marega ????????????

A post shared by RB ???????? (@romariobaro58) on

Links promovidos

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.