A simples afirmação de que um peixe pode ter fisionomia humana já seria suficiente para levantar muitos sobrolhos. Se para além disso surgissem imagens a tentar corroborar a afirmação, mas essas imagens tivessem uma clara aparência artificiosa, talvez uma grande maioria descartasse o assunto como logro. Porém, não é que tem acontecido com um conteúdo surgido no Facebook há pelo menos sete meses.

Trata-se de um vídeo com 20 segundos de duração onde aparentemente surge um peixe fora de água, com “cara” humanoide. Vários utilizadores partilham-no acompanhado de comentários cautelosos ou a título de brincadeira, mas outros parecem convencidos de que tal ser vivo existe de facto e está ali documentado.

???????? ???? Fish with a Human face caught in #japan ???????? #fish #discovery #video #japan

Posted by Niki Bhatt on Friday, June 7, 2019

Mais de 200 mil partilhas estão registadas a partir de um perfil de Facebook que intitulou o vídeo, em inglês, como “peixe com cara humana apanhado no Japão”. O original pode ter começado a circular em abril último na China, através do WeChat, popular plataforma de conversação.

O Snopes, um site americano de verificação de factos, com historial de análise de vídeos, já assinalou o embuste. O suposto peixe está fora de água e move-se como se não estivesse — aliás, aparenta levitar sobre a superfície onde se encontra.

Mesmo sob um ponto de vista não especializado, a liberdade interpretativa não permite dizer que se trata de um peixe real, pois a sensação que as imagens transmitem reporta para o universo do cinema de animação.

De acordo com o Snopes, um especialista em animação por computador terá declarado ao site de verificação de factos MyGoPen, que a luz e a textura das imagens demonstram estarmos perante uma clara animação computorizada de três dimensões (3D).

O caso da carpa na China

Por algum motivo, este tipo de assuntos é recorrente. A imprensa de notícias bizarras costuma dar-lhe atenção, como fez o jornal The Sun em 2016,  ao noticiar um “peixe com cara humana” encontrado na China. Recentemente, um outro vídeo surgiu nas redes sociais, alegadamente contendo imagens de um peixe também com “cara” parecida à de um ser humano.

Neste outro caso, é difícil determinar se o vídeo é verídico ou manipulado. O já referido site de verificação de factos Snopes escreveu há dias que “parece provável que o vídeo seja genuíno”. De acordo com o ictiologista Carlos Assis, a quem o Observador pediu opinião, tudo indica que o animal filmado seja uma carpa espelhada, peixe de água doce muito comum na China e no Japão, resultante do cruzamento de espécies selvagens. “Não vejo neste animal nada que não seja comum no corpo de uma carpa”, afirmou Carlos Assis, depois de ver o vídeo.

Strange human fish

Strange fish spotted with human like face ????

Posted by Newsflare on Friday, November 8, 2019

“Não posso dizer se o vídeo foi ou não manipulado, mas parece verosímil, porque esta carpa tem uma pigmentação e uma configuração normais. Se quisermos forçar, podemos dizer que tem cara humanoide, mas não é isso que ali vejo. Quando muito, sou levado a considerar que a forma como o padrão pigmentar surge em alguns momentos do vídeo pode criar uma ilusão de ótica que sugere a algumas pessoas a aparência de uma cara humana”, acrescentou Carlos Assis, professor no departamento de biologia animal da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Conclusão

Um vídeo massivamente divulgado na internet desde há pelo menos sete meses, no qual estaria documentada a existência de um peixe com uma cabeça semelhante à de um ser humano, tem características formais e de conteúdo que apontam para uma criação digital fantasiosa, o que afasta qualquer alegação de verosimilhança.

De acordo com o sistema de classificação do Observador este conteúdo é:

Errado

De acordo com o sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge