A banda italiana Maneskin foi a grande vencedora da edição de 2021 da Eurovisão, que decorreu no passado sábado, dia 22 de maio. Depois de, no ano passado, o evento europeu de música ter sido cancelado por causa da Covid-19, no passado domingo, em Roterdão, regressou. Pela terceira vez na história da Eurovisão, Itália venceu, desta vez com uma canção de rock. Já a banda portuguesa The Black Mamba ficou pelo 12º lugar, naquela que foi a segunda melhor pontuação em 25 anos, só ultrapassados por Salvador Sobral.

Publicação que fala do suposto consumo de drogas por parte da banda vencedora da edição deste ano da Eurovisão.

Mas aquilo que deveria ter sido um ligeiro regresso à normalidade, feito de festa, luzes e música, acabou por estar envolto em polémica: tudo por causa de um vídeo partilhado nas redes sociais onde o vocalista da banda de Itália, Damiano David, parecia estar a consumir cocaína (segundo as legendas das publicações). De imediato, começaram a surgir os primeiros pedidos de desqualificação do país transalpino.

As várias publicações que propagavam o suposto consumo como um facto tornaram-se definitivamente falsos depois dos esclarecimentos da organização do festival. Mas, ainda antes desse momento, o cantor italiano tinha deixado garantias de que a acusação era infundada.

Logo na conferência de imprensa, Damiano David fez questão de esclarecer as acusações que já estavam a viralizar nas redes sociais. “Não uso drogas. Por favor. Não digam isso, a sério, nada de cocaína, por favor”, afirmou. Estas declarações acabaram por ter eco em vários órgãos de comunicação social quer em Portugal quer no estrangeiro, tal como a RTP1 (que transmitiu a Eurovisão) ou a BBC.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Durante a conferência de imprensa, o vocalista italiano acabaria por dizer que, na verdade, aquele incidente, que foi depois registado, estava relacionado com um copo que se partiu no local onde a banda estava sentada na Sala Verde (Green Room) da final do festival.

Já a União Europeia de Radiodifusão (EBU), que organiza o festival, veio assegurar que estava atenta à especulação em torno da banda italiana e que iria averiguar o caso, logo após a delegação italiana ter requerido visionar as filmagens e apurar os factos. A mesma delegação confirmou que na Sala Verde não estiveram presentes nenhum tipo de estupefacientes. Depois, Damiano David voluntariou-se para fazer um teste de despistagem de drogas, tal como se lê numa storie de Instagram partilhada pela conta oficial dos Maneskin. Quanto ao tal copo partido, a EBU confirmou que, de facto, se encontravam vidros partidos naquele espaço.

A banda que deu voz à música “Zitti e buoni” acabaria mesmo por aceitar que o seu vocalista fizesse o teste, tendo tido um resultado negativo. “Foi feito um teste de despiste de drogas de forma voluntária pelo Damiano David, que se demonstrou negativo. Estamos preocupados com o facto de que especulações imprecisas levaram à criação de falsas notícias que ofuscaram o espírito e o resultado do evento, afetando injustamente a banda italiana”, lê-se no comunicado da Eurovisão.

Ainda que todos os envolvidos neguem o consumo de drogas, os resultados dos testes de despistagem não foram divulgados. Apenas esclarecimentos a desmentir todas as alegações virais foram prestados. E o episódio que manchou o regresso da Eurovisão, acabou, desta forma, encerrado.

Esclarecimento por parte da banda italiana.

Conclusão

As imagens do vocalista da banda italiana Maneskin, vencedora da edição deste ano da Eurovisão, romperam as redes sociais ainda durante o festival. Mas, entretanto, quer a organização do evento europeu, quer a delegação italiana, aceitaram que se fizessem um teste de despistagem de drogas. As imagens da noite de 22 de maio também foram revistas. O próprio vocalista dos Maneskin, Damiano David, que negou ter consumido cocaína, voluntariou-se para esclarecer as dúvidas que surgiram na internet e fazer um teste de despistagem. Segundo a organização da Eurovisão, os resultados foram negativos.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

IFCN Badge