Rádio Observador

Racismo

A instrumentalização política do preconceito

Autor
  • Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja
1.099

Luther King tinha um sonho; Mamadou Ba tem uma queixa-crime. Eis o “I Have a Dream” dos intolerantes que incessantemente lutam contra a liberdade dos outros.

O artigo de Maria de Fátima Bonifácio merece reparos? Claramente. Mas a sobriedade de alguns dos reparos entretanto feitos dispensam a sua repetição. Porém, todos os reparos que o texto possa merecer são infinitamente menos graves do que o assalto ao princípio da liberdade de expressão (para não falar dos ad hominem em que os Aristóteles do enxovalho são sempre proficientes) em curso, sob a folha de figo do combate ao racismo.

Maria de Fátima Bonifácio, que expressou uma opinião que vincula somente a própria, é muito menos perigosa para as liberdades individuais (lamentamos, não há outras) do que Mamadou Ba, sempre disponível a servir-se do aparelho coercivo do Estado, o qual, ironicamente, considera racista, para ameaçar e silenciar uma opinião através de um acto persecutório que nos vincula a todos enquanto comunidade pois, segundo a Constituição de Abril, os Tribunais administram a justiça em nome do povo. Como se deduz do episódio da Cidade contra o polémico Sócrates, a cicuta nos lábios de Sócrates sempre foi o sonho húmido de todos os fanáticos.

Mamadou Ba, o bófia-anti-bófia (se utilizássemos o vernáculo do próprio a expressão seria outra), uma espécie de Rosa Casaco do politicamente correcto, prepara-se para, por via duma ePIDErme a que chama “SOS Racismo”, avançar com uma queixa-crime no Ministério Público contra Maria de Fátima Bonifácio alegando que o texto assinado pela historiadora configura uma violação do artigo 240º do Código Penal, que define o crime de discriminação racial. Martin Luther King tinha um sonho: Mamadou Ba tem uma queixa-crime. Na verdade, a queixa-crime é o “I Have a Dream” dos intolerantes, dos hipocondríacos da raça, capazes de, na vertigem da sua sanha repressiva, fazer nascer um cárcere (dado a guilhotina ter infelizmente caído em desuso) a partir de um parágrafo.

O texto de Maria de Fátima Bonifácio é racista, afirma Mamadou Ba. Como classificará os de Gabriel Mithá Ribeiro e Marisa Morais? A pergunta é retórica porque para o assessor bloquista Mamadou Ba, entre outros, só “o racismo branco da sociedade portuguesa exige medidas concretas”. Ou seja, em Portugal, o racismo é um exclusivo branco e da direita. Não há outro. E se houvesse, seria virtuoso e puro. Como é que se resolve o problema? Com acusações de racismo, queixas-crimes e quotas para as ditas minorias (existirão quotas para a minoria branca na Assembleia Nacional Senegalesa?) como se não fôssemos todos portugueses.

Enquanto Maria de Fátima Bonifácio não pode expressar a sua opinião porque a mesma ofende, insulta e difama, já Mamadou Ba pode insultar livremente quem bem lhe apetece, incluindo as autoridades e os seus agentes. A instrumentalização política do preconceito é uma realidade indesmentível. Nem a SOS Racismo, o Mamadou Ba ou o BE procuram resolver os problemas que decorrem dos preconceitos. O que querem é apontar o dedo, limitar a liberdade e, sobretudo, votos. Logo, precisam de alimentar o preconceito.

Paradoxalmente, portanto, combater o racismo é também combater o combate ao racismo. O combate que se alimenta do racismo. E em nome do anti-racismo. O combate que, na febre de destruir o racismo, tem constantemente de criá-lo, de imaginá-lo, de inventá-lo, de exumá-lo a partir do solo já pútrido para voltar a adubar os ódios, sempre viçosos, de que se nutre (o furor zelota é insaciável: todo o fanático é um esfomeado que se alimenta da sua própria fome). Combater o racismo é também combater os farejadores profissionais de racistas cujo olfacto apurado aguarda sempre a detecção do mínimo vocábulo, como gota de sangue pingando em água plena de tubarões. Combater o racismo é também (ou é sobretudo) combater a colectivização do racismo pelos Bomsheviques, os Bolsheviques do Bem (mas haverá de outro tipo?), resgatando os indivíduos dos calabouços identitários nos quais os seus autodenominados libertadores pretendem mantê-los aferrolhados e amestrados, servindo apenas como adereços de propaganda.

A questão axial não está em saber o que pensamos sobre a opinião de Maria de Fátima Bonifácio. Está em saber se, numa sociedade livre, esta tem direito à sua opinião. Se a resposta for negativa, será conforme à Constituição. Não a de 1976: a de 1933: “Leis especiais regularão o exercício da liberdade de expressão do pensamento (…) devendo, quanto à primeira, impedir preventiva ou repressivamente a perversão da opinião pública na sua função de força social, e salvaguardar a integridade moral dos cidadãos” (art. 8º, § 2.º). Vitória póstuma de Salazar quarenta e cinco anos depois de Abril. Os netos de Marx são hoje os discípulos do avô de Santa Comba Dão.

O que está em causa é, numa palavra, a liberdade, “esse terrível nome inscrito na carruagem das tempestades” (Philothée O’Neddy). E a liberdade de expressão, para ser efectivamente livre, tem de ser livre antes da expressão, durante a expressão e, sobretudo, depois da expressão. Porque a alternativa, embora sedutora, é instrumentalmente contraproducente e fundamentalmente imoral. James Madison, no famoso Federalista nº 10, disse-o em termos definitivos: “A liberdade está para as facções como o ar está para o fogo, um alimento sem o qual ele instantaneamente se extingue. Mas não seria menor loucura abolir a liberdade, porque alimenta as facções, do que desejar a supressão do ar, que é essencial à vida animal, só porque ele dá ao fogo a sua capacidade destruidora”. E assim, juntamente com a liberdade, também a educação, o meio mais eficaz para a eliminação do preconceito, é posta em causa.

A instrumentalização política jamais será a chave para a eliminação do preconceito. A história demonstra-o!

Vicente Ferreira da Silva é Professor convidado da EEG/UMinho e Miguel Granja é Mestrando em Ciência Política da EEG/UMinho

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Discriminação

A Universidade e a raça

Ricardo Cabral
559

É pena ver parte dos políticos a não abordar os assuntos raciais com a maturidade necessária. É triste saber que Portugal é governado por quem desconhece a verdadeira e diversa realidade portuguesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)