Rádio Observador

Enfermeiros

Abriu a época de caça ao enfermeiro

Autor
  • João Paulo Carvalho
4.493

As redes sociais vieram exponenciar o modus operandi, na era em que todos têm direito a ter opinião, exércitos de perfis falsos destilam veneno a soldo. Importa que se saiba que o ardil é inteligente

A época venatória para as espécies cinegéticas tem início em Agosto e pode estender-se até Fevereiro. A caça grossa, a dos votos, decorre impreterivelmente no semestre anterior às eleições.

Era notícia há dias que em Portugal, desde o início do ano, houve 112 pré-avisos de greve. O governo, especialista em spinning, conseguiu apresentar aos portugueses apenas uma, a injusta greve dos enfermeiros. O empolamento da crise com os enfermeiros desviou os portugueses do verdadeiro responsável e tentou que a população visse aqueles que os acompanham desde que nascem até que morrem como gente sem coração.

112 é um número simbólico, é o número da emergência médica, mas nem isso impediu o executivo de ser o tipo que vai em contramão na autoestrada a barafustar com todos os que vêm em sentido contrário ao seu. O país está em emergência e os culpados não podem ser os profissionais todos.

António Costa não inovou. Os governos dos últimos anos têm sido pródigos em delírios de actuação.

A malfadada propaganda foi substituída pela refinada comunicação política e, hoje em dia, ninguém ouve o que não gosta. As redes sociais vieram exponenciar o modus operandi, na era em que todos têm direito a ter opinião, exércitos de perfis falsos destilam veneno a soldo. Importa que se saiba que o ardil é inteligente e está bem montado. A sociologia explica que o Homem, quando inserido numa massa humana, perde as suas características únicas, tornando-se em mais um animal do rebanho.

Havia estratégias mais simples e honestas, uma delas era desmontar a narrativa do País das Maravilhas e assumir aos portugueses que, faltando o dinheiro, sobrava a vontade política. Não foi a decisão de António Costa. O primeiro-ministro optou pela vitimização e mostrar que, no seu plantel, além do Ronaldo nas finanças, tem o Paulinho Santos na Saúde. Neste ministério, ou passa o jogador ou passa a bola.

Há partidos que já perceberam que há 70.000 enfermeiros e que cada um há de ter pelo menos dois familiares próximos.

Catarina Martins, a coordenadora do Bloco de Esquerda, veio assumir que “é uma falsa questão dizer que não há dinheiro para contabilizar o tempo de serviço dos trabalhadores”, logo depois, André Ventura afirma que “não há 23 milhões para os enfermeiros, mas há 83 milhões para o Parlamento”.

Da parte dos enfermeiros, aquilo com que os partidos podem contar é, sobretudo, com memória.

Presidente do Conselho Directivo Regional do Norte da Ordem dos Enfermeiros

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ordem dos Enfermeiros

O medo é livre

João Paulo Carvalho
1.352

A Ordem fez o que lhe cabia, apoiou os enfermeiros e denunciou, quando teve de denunciar, situações que põem em risco a segurança e qualidade dos cuidados de saúde. Assobiar para o lado não é solução.

Enfermeiros

O Asno de Buridan

João Paulo Carvalho
454

Este é um país onde os administradores hospitalares só administram de nome. São eunucos da função pública a quem pouco mais é permitido do que responsabilizarem-se pessoalmente se as coisas correm mal

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)