Rádio Observador

Startups

Apps, unicórnios e especulação: a tempestade perfeita?

Autor
  • Fernando Pinto Santos

As dúvidas sobre o valor das avaliações e a sustentabilidade dos modelos de negócio parecem ser um elefante no meio da sala e vários dos unicórnios que têm entrado em bolsa têm vindo a perder valor.

Vivemos num mundo de start-ups, apps, pitches, summitts… E, pelos vistos, num mundo também de fantasia, com cada vez mais unicórnios (empresas avaliadas em mais de um bilião de dólares). Cada novo pitch de empreendedores traz a promessa que a sua app vai fazer do mundo um lugar melhor. É um discurso de Miss, encantador e partilhado por muitas start-ups.

Mas o que algumas destas start-ups partilham não se fica por aqui. Um plano de negócios assente numa estratégia de gastar muito e rápido é comum. Por outro lado, um modelo de negócio rentável, mesmo que a prazo, mas que seja realmente credível e não baseado numa conjugação de impossibilidades, é algo que não encontramos nestas start-ups. Conseguir conquistar quota de mercado rapidamente – mesmo a prestar um serviço ou vender um produto abaixo do preço de custo – isso sim, parece ser realmente fundamental.

Naturalmente que isto é uma generalização grosseira, que não se aplica a muitas das start-ups que estão no mercado. Mas, curiosamente, é uma caracterização que parece ser adequada a alguns dos mais conhecidos unicórnios tais como o Pinterest, Snapchat, Lyft e Uber. E, ainda mais importante, é uma caracterização fiel das mais proeminentes start-ups do fim dos anos 90. Ainda alguém se lembra do que aconteceu no ano 2000? Pois é, a bolha das dot.com rebentou. Será que a história se vai repetir? Parece estar a formar-se a tempestade perfeita para que assim seja.

Em primeiro lugar, tem existido um crescimento exponencial nos investimentos em start-ups. O facto de as taxas de juro estarem baixas contribui para o volume de dinheiro a ser canalizado para estas novas empresas, com os investidores à procura de retornos que não conseguem obter de outra forma. Todo o frenesim de investimento ajuda a inflacionar ainda mais os valores de avaliação. Isto é naturalmente bom para os fundos de investimento e empresas de capital de risco que usam os valores inflacionados para angariar ainda mais dinheiro e cobrar mais comissões no seus serviços.

Em segundo lugar, as avaliações de algumas start-ups parecem ser frequentemente desprovidas de razoabilidade. Muitas vezes estas avaliações são baseadas em métricas como o envolvimento e o número de subscriptores, tendo como miragem a monetização futura desses utilizadores. Naturalmente, temos que esquecer muitos casos em que isso nunca realmente aconteceu — o MySpace é só um exemplo — para continuar a ver essa miragem. Mas desde que a métrica principal de avaliação continue a ser o crescimento rápido – tal como o era no fim dos anos 90 — a miragem parece ser bem real.

Em terceiro lugar – e exatamente como aconteceu no final dos anos 90 – a frequência com que as startups se estão a lançar em bolsa com ofertas públicas iniciais começa a aumentar a um ritmo incomum. 2018 foi um ano forte para os unicórnios entrarem em bolsa: SurveyMonkey, Eventbrite, Spotify e Dropbox, são apenas alguns exemplos. E em 2019 muitos mais se alinham: Uber, Airbnb, Slack, Robinhood, Pinterest, Postmates, Asana… Estas entradas em bolsa servem para que as start-ups acedam a ainda mais dinheiro e, interessantemente, servem para que os grandes investidores iniciais consigam sair das start-ups com a sua conta bancária bem recheada. A bolha já não irá rebentar nas mãos deles.

Por fim, as dúvidas sobre o valor das avaliações e a sustentabilidade dos modelos de negócio parecem ser um elefante no meio da sala e vários dos unicórnios que têm entrado em bolsa têm vindo a perder valor. O Caso da Snap (a empresa por detrás do Snapchat) é especialmente paradigmático. Esta start-up só conhece prejuízos, não consegue aumentar o número de utilizadores e também não consegue angariar os anunciantes que previa. Ainda assim a empresa atingiu um valor de 31 biliões de dólares aquando da sua entrada em bolsa em Março de 2017. Hoje o seu valor ronda os 8 biliões de dólares.

Em 2000, como agora, estamos na fase final de um ciclo de crédito, com muito dinheiro canalizado no encalce de muito pouco valor. Na altura, como agora, as ofertas públicas iniciais em bolsa sucedem-se em catadupa, a especulação grassa e tudo isto faz com que vá aumentando ainda mais uma bolha que parece teimar em não rebentar. A questão é: até quando?

Fernando Pinto Santos, Docente do IPAM e membro da letsthink.global  

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Produtividade: a culpa é da mão de obra?

Fernando Pinto Santos

De quem é a culpa da baixa produtividade do trabalho em Portugal? Da mão de obra? Sim, mas é só um dos fatores. Falta também maior eficiência dos fatores produtivos e maior capacidade para criar valor

Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
118

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Inovação

Uber: o entrepreneur vai nu?

Fernando Pinto Santos
343

O dinheiro dos investidores da Uber subsidia as viagens e é o que permite a oferta de preços competitivos. Isto é sustentável? É este o paradigma de empreendedorismo que desejamos?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)