Amor e Sexo

As agruras dos 50

Autor
  • Luis Teixeira

Entre as afirmações de Moix na entrevista há coisas potencialmente muito mais ofensivas do que dizer que não gosta de mulheres com mais de 50 anos, mas curiosamente não houve mais nenhum sobressalto

Foi por aí um alarido porque um escritor francês desconhecido declarou, em entrevista à Marie Claire, que aborrecia as mulheres com mais de 50 anos. As pessoas ocupam-se com assuntos assim. Fui ler a entrevista: a peça tem a densidade e o tamanho de um inquérito de praia e Yann Moix (assim se chama o escritor) não é agressivo nem se exibe. Confessa os seus gostos, que são, aliás, bastante estritos: só mulheres entre os 25 e os 50 anos. Mas até se declara “prisioneiro” de uma “maldição”. Tal não chegou, contudo, para aplacar as fúrias. A porta-voz do partido de Macron chamou-lhe grosseiro. Valérie Trierweiler, a mulher que foi enganada por François Hollande, citou uma capa heróica do Charlie-Hebdo sobre a falocracia. E uma jornalista parisiense publicou no Instagram a fotografia de um rabo, supõe-se que o dela. Até em Portugal houve indignação, particularmente nos jornais e nos bares da Baixa, e Ricardo Araújo Pereira dignou-se falar do assunto no Governo Sombra, o que é, honestamente, mais do que um escritor francês desconhecido pode esperar. (Fica também para RAP o prémio de Marialva do Ano pelo comentário: “Mais ficam!”)

Todo este tumulto distrai daquilo que é mais interessante no caso. Entre as afirmações de Moix na entrevista há coisas potencialmente muito mais ofensivas do que dizer que não gosta de mulheres com mais de 50 anos. Moix diz, por exemplo, que só gosta de mulheres asiáticas. E que muda periodicamente de namorada porque as mulheres “se gastam” e o desejo acaba. Por junto, temos aqui racismo e objectificação. Seria de esperar escândalo e fúria. Mas ninguém se irritou. Não houve um sobressalto! Só a questão dos 50 anos agitou os espíritos. Isto é muito interessante. A falta de reacção ao racismo, evidente no gosto exclusivo por mulheres asiáticas, pode ser explicada pelo facto de se tratar de discriminação a favor de uma “minoria”. Já se sabe que as discriminações não são todas iguais, há-as más e há-as “positivas”. Mas o desinteresse pela forma como Moix fala em mulheres “gastas”, como se falasse de um vestido fanado, é fantástico. A conclusão que se impõe é que a acusação de velhice é tão grave que anula qualquer outra ofensa. Ser velha é mais grave do que ser objecto sexual!

Adiante. Eu entendo o francês. O problema dele não são as mulheres. O problema dele são os 50 anos. Os dele. Sendo um homem de superfícies (como se vê pela fixação que confessa pelas qualidades da pele: a cor, a textura, o uso), não lhe é fácil encontrar lenitivo para as angústias da meia idade. Isso não é contraditório com o facto de ser escritor. Em França tudo passa por literatura, desde que seja adequadamente monótono e ilegível.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

O melro de Rushdie /premium

Luis Teixeira

Foi há 30 anos e Khomeini tinha uma razão mesquinha para lançar a fatwa que condenava Rushdie à morte: precisava de congregar à sua volta as multidões desiludidas com o fiasco da guerra com o Iraque.

Crónica

O regresso do Rei

Luis Teixeira

Os professores acreditam que os 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço congelado hão-de sair do nevoeiro da dívida e os enfermeiros, que os 68% de aumento hão-de chegar com a maré. 

PSD

Rui Rio

Luis Teixeira
162

O dr. Rio diz que é social-democrata e que não é de direita. É facto que a social-democracia nunca foi de direita. O problema do dr. Rio é que o povo do PSD também nunca foi social-democrata.

Amor e Sexo

Amor e sexo no século XXI

António Pimenta de Brito
119

Se antes o convite era mais formal, depois caímos na obsessão do contacto físico imediato. Como resultado temos pessoas a sofrer porque sentem que fazem o que não querem, mas não sabem fazer diferente

Crónica

Antes de trair alguém leia isso

Ruth Manus
167

Quando se é traído, nasce em nós um verdadeiro trauma, uma sequela. Não se trata da memória daquele incidente, mas de uma espécie de desconfiança eterna que passa a nos rondar.

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)