Assembleia Da República

As raposas e os galinheiros

Autor
  • Susana Coroado
351

As raposas dentro do galinheiro não são apenas os lobistas, são também alguns deputados que procuram influenciar as leis do parlamento em benefício dos seus interesses particulares.

Há poucas semanas, na Comissão Parlamentar para a Transparência, o deputado do PCP Jorge Machado defendeu que “legalizar o lobby é meter a raposa no galinheiro”, ao que o socialista Pedro Delgado Alves contrapôs que a raposa já está dentro do galinheiro, ou seja, dentro da actividade política. É pública a posição da TI-PT nesta matéria: defendemos a transparência dos processos de decisão política e, como tal, a publicitação dos representantes de interesses que exerceram influência sobre os decisores públicos em determinada matéria. Essa publicitação pode fazer-se através de um registo de lobistas e eventual regulação da actividade profissional, mas sempre em conjunto com uma pegada legislativa que informe sobre os passos tomados na definição das leis e publicitação das reuniões de lobby mantidas pelos detentores de cargos políticos e altos cargos públicos (estão os partidos da esquerda à direita dispostos a implementar estes dois últimos mecanismos de transparência?). No entanto, concordamos com Pedro Delgado Alves: embora algumas fiquem à porta por falta de acesso privilegiado aos políticos, muitas raposas já estão de facto dentro do galinheiro, importa é colocar-lhe os holofotes em cima. Dito de outro modo, o lobbying – através ou não de intermediários profissionais – já se pratica junto do parlamento, do governo, de reguladoras, da administração directa e indirecta do Estado.

Contudo, as raposas dentro do galinheiro não são apenas os lobistas, são também alguns deputados que procuram influenciar as leis do parlamento em benefício dos seus interesses particulares. Na semana passada, a Transparência e Integridade denunciou o caso do deputado social democrata Carlos Peixoto, consultor remunerado pela sociedade de advogados Caiado Guerreiro, especializada, entre outras coisas, no fornecimento de serviços de assessoria jurídica a requerentes de Vistos Gold. O deputado em questão foi escolhido pela 1ª Comissão Parlamentar para elaborar um parecer sobre o projecto de lei do BE sobre a eliminação dos ditos Vistos Gold. Carlos Peixoto já veio afirmar que não existe qualquer conflito de interesses e será interessante saber se é essa também a leitura dos  presidentes da 1ª Comissão e da Subcomissão de Ética, a quem pedimos esclarecimentos.

Com este exemplo (que não é de todo isolado), voltamos a nossa atenção para a Comissão Parlamentar para a Transparência que parece avançar para a recta final sem que se veja ou possa vir a ver obra concreta. Muito pouco nos projectos de lei apresentados pelos cinco partidos responde ao problema do conflito entre o interesse público e os interesses privados dos deputados, sendo que esse pouco se resume à relação entre Estado e privados, esquecendo que o parlamento legisla sobre bem mais do que a esfera pública. Além disso, nem tudo se resolve com leis e nenhum grupo parlamentar elaborou uma proposta de código de conduta claro e pormenorizado para deputados. Os membros do parlamento britânico, por exemplo, regem-se por um código de conduta que corresponde mais ou menos ao nosso estatuto do deputado. Mas porque é um documento que estabelece princípios gerais vem acompanhado de um guia para as regras de conduta em que define, explica e orienta na aplicação dessas regras. Os deputados britânicos não estão obrigados à exclusividade nem perdem direito de voto caso esteja a ser debatido um seu interesse pessoal. Mas têm obrigação de declarar o seu interesse antes de tomar qualquer acção e não podem ter iniciativas legislativas nem participar em processos legislativos ou de controlo político em que esteja em causa o seu interesse privado (sendo que o guia prossegue com a definição de todos estes termos e situações para que não haja interpretações subjectivas ou convenientes).

Bastaria uma pesquisa rápida num motor de busca para recolher uma mão cheia de boas práticas nestas matérias em exemplos tão óbvios como o britânico. Mas em dois anos e meio de comissão para a transparência, os deputados portugueses não tiveram tempo para esta pesquisa. Nem para ler o preocupante relatório do Grupo de Estados Contra a Corrupção do Conselho da Europa sobre a integridade do parlamento nacional. Nem os diversos estudos da OCDE sobre lobbying ou da OSCE sobre standards para parlamentares. Provavelmente nem para ler o que o Conselho de Prevenção da Corrupção diz sobre conflitos de interesse. Muito menos para ouvir especialistas internacionais ou até os seus pares noutros países. Talvez andem demasiado ocupados com os seus interesses privados para se ocuparem das matérias de interesse público. Talvez não tenham verdadeira vontade em alterar a opacidade da vida política. Não sabemos se a comissão irá parir um rato, mas que irá parir muitas raposas guardiãs do galinheiro, disso não duvidamos.

Vice-presidente da Transparência e Integridade (TI-PT)

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PAN

Viva o Dragão-de-Komodo!

Pedro Barros Ferreira
171

Partidos como o PAN e, também, o Bloco, vão inventando variações cada vez mais disparatadas sobre as microcausas que os fizeram nascer e ganhar votos. Esse é o problema: até onde irá a falta de senso?

Democracia

Quem tem medo da independência? /premium

Paulo Trigo Pereira
116

Numa visão muitíssimo limitada de democracia, esta resume-se à regra da maioria, mas uma democracia liberal é muito mais do que isto. E dela fazem parte integrante os reguladores independentes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)