A oportunidade é óbvia: (i) os clubes precisam de dinheiro para prepararem o ataque à nova época desportiva, (ii) o futebol português apresenta-se como uma plataforma extremamente rentável para a transferência de jogadores entre América do sul e Europa central, e (iii) existem investidores com know-how e/ou capital de risco dispostos a embarcar nesta aventura. Porém, os casos de compra-venda de sociedades desportivas por parte dos seus clubes a investidores externos umas vezes são de sucesso, como os do Famalicão e Casa Pia, e outras vezes originam profundas batalhas juridico-comunicacionais, como os do Belenenses e Cova da Piedade. Poderá parecer sorte ou azar, ou produto do acaso, mas uma análise mais cuidada parece sugerir que o segredo de uma parceria de sucesso entre clube e investidor reside algures entre a preparação da venda por parte do primeiro, e inserção na comunidade por parte do último.

O primeiro, e talvez o mais determinante, principio de atuação por parte de um clube de futebol é que a venda do capital social da sua sociedade desportiva deve ser sempre produto de uma opção estratégica decorrente de um planeamento sistemático, e nunca resultado de uma inevitabilidade com a urgência de ontem, pressionada pela ausência de liquidez financeira e pela inexistente capacidade de contratar jogadores ou pagar ordenados no fim do mês. Os clubes devem proactivamente preparar a venda do capital social e evitar aguardar passivamente pela sua hora de agonia, em que o desespero e necessidade de capital externo obrigue a olvidar o processo de due diligence, e ignorar a origem e intenção do investidor.

Percebendo que o negócio do futebol português gravita em torno da transferência de jogadores, devem os clubes definir antecipadamente a sua estratégia e alinhar os seus diferentes vectores de gestão. Concretamente, os clubes devem definir um modelo de jogo, de jogador e de recrutamento tipificado ao perfil de contração dos principais clubes compradores, onde o treinador e o diretor desportivo têm como objetivo ajudar a construir o case de venda. Quanto maior for a consubstanciação de um projecto desportivo sustentável, maior será o leverage que o clube terá para escolher o investidor financeiro e obter um resultado negocial final proveitoso.

Por seu turno, e num momento posterior à compra, o investidor deve ter um foco estratégico em manter-se absoluta e permanentemente alinhado com as expectativas dos adeptos do clube, seja pelo reconhecimento e respeito do seu património histórico, seja pela interação e inserção na comunidade. Analisando casos anteriores em Portugal, sempre que o investidor ignorou a voz dos adeptos e/ou sócios, e afastou-se da matriz cultural do clube, retirou aos jogadores e treinadores as condições essenciais para estes superarem-se e construírem o valor desportivo acrescentado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Como em qualquer outra empresa, também numa sociedade desportiva o investidor deve ter um plano de valorização de ativos sustentados em avaliações e atualizações de mercado. Como em qualquer outro sector de atividade, também no futebol existe um método de promoção e construção de valor, neste contexto em particular assente nas ciências do desporto e no conhecimento do treino desportivo. O exemplo da Benfica SAD nos últimos anos é paradigmático: será ignorância, clubite ou ambas, acreditar que as vendas de João Félix, Ederson, Ruben Dias, Witsel, Nelson Semedo, Lindelof, Renato Sanches, Di Maria ou Fábio Coentrão, todos com menos de 24 anos e por mais 30 milhões de euros, a clubes como Atlético de Madrid, Manchester City, Barcelona, Manchester United, Bayern Munique, Real Madrid e Zenit foram produto do acaso, mera sorte ou grandes cunhas.

As sinergias e interdependências entre gestão, marketing, finanças e desporto não são apenas uma possibilidade, mas sim uma inevitabilidade para qualquer investidor ou presidente que queira promover a sustentabilidade da sua sociedade desportiva ou do seu clube a médio-longo prazo.