Nesta crise que nos pode fazer crescer, pessoal e civilizacionalmente, começamos a ter algum tempo para nos dedicarmos, seletivamente, a problemas novos sem receita, de hoje e de amanhã.

Fruto de alguma reflexão, mas principalmente da experiência quotidiana, começam a emergir agudos problemas com a largura de banda e são óbvios os estrangulamentos de sinal.

Na Universidade do Porto, onde leciono, estão a ser implementados de forma massificada estilos de aprendizagem mediados digitalmente. Há alguns anos que a nossa universidade vem apostando no que genericamente se designa por e-learning e é impressionante notar a prontidão com que a nossa instituição promoveu os meios e a formação dos docentes, a este nível. Hoje mesmo fomos confrontados com a possibilidade legal de realizar provas de mestrado e doutoramento on-line, o que será ótimo para darmos continuidade à nossa docência e atenuarmos os danos deste retiro forçado. Na segunda-feira próxima, em particular, começarão de forma ainda mais acentuada as aulas on line.

Em paralelo sei bem que outras universidades e todas as escolas de todos os níveis de ensino se preparam para generalizar o ensino-aprendizagem à distância. Outras instituições, em dinamismos de teletrabalho, estão mais ou menos em prontidão para prestar muitos serviços.

Há muitos constrangimentos associados a este desafio, desde a formação dos docentes à reatividade de alguns aprendentes, passando por eventuais injustiças devido a grande variabilidade e democraticidade dos acessos a recursos. Mas intuo que será outro o problema principal, precisamente o estrangulamento da internet.

Podemos e devemos antecipar-nos e, em paralelo e por vários caminhos, criar condições de priorizar para “servir serviços”, todos os dinamismos digitais, no horário de expediente das 9h às 18, em dias úteis:

  1. Apesar da dificuldade técnica de verificar a sua implementação, decretar a proibição de acesso por via digital, dentro do horário de expediente determinado, a plataformas lúdicas que incluam práticas como download de filmes, jogos, redes sociais de comunicação com ficheiros pesados, etc..
  2. Pedir a algumas empresas que ajudem técnica e comunicacionalmente neste desiderato (a Netflix e outras plataformas congéneres já estão a baixar a resolução de alguns recursos mas é tudo ainda muito insuficiente).
  3. Implementar campanhas publicitárias de promoção desta causa. Poderiam seguir um slogan do tipo “liberta a rede para servir” e ter até algum dramatismo em algumas frentes comunicacionais (por exemplo, “enquanto fazes o download de um filme, falha a comunicação digital num hospital e perde-se uma vida”).
  4. Valorizar e incentivar as pessoas a procurarem momentos lúdicos com recursos ora mais clássicos (como jogos de tabuleiro ou livros) ora off line (DVDs, discos duros locais, etc)
  5. Outras medidas técnicas de gestão de redes que consigam mitigar esta problemática.

Sem estas e outras medidas haverá, com toda a certeza, a fragilização decepcionante de uma potencialidade enorme oferecida pela mediação digital nas suas virtudes de atenuar os impactos desta crise e até de promover práticas mais humanizantes, com enorme futuro. Se as crises são oportunidades, a otimização dos procedimentos digitais é uma delas. O seu uso com critério salvará a sua causa. O seu abuso descontrolado e desregulado, arruinará as suas promessas!