Televisão

O espectáculo da política /premium

Autor

Quase uma centena de agentes partidários actua regularmente nos ecrãs televisivos como «comentadores», ou seja, como propagandistas das suas crenças, pois não lhes cabe outra função que não seja essa.

Não é de agora que se sabe que os «media» em geral e a televisão em especial têm um papel cada vez mais relevante na formação dos comportamentos eleitorais e, por conseguinte, na vida política dos países em geral e de cada um em particular. Também já se sabe que esta influência dos «media» deixou de se limitar aos conteúdos informativos e eventualmente opinativos para se alargar e, finalmente, se concentrar na pura acção mediática, nomeadamente televisiva. Os agentes políticos funcionam cada vez mais – o que não quer dizer cada vez melhor – como «actores» de televisão ou, melhor, como imagens televisivas.

Em suma, seja em que papel for, é a imagem projectada pela TV que confere valor mediático e, simultaneamente, político àquilo que eles façam ou digam. Há poucos dias, circulou uma informação segundo a qual perto de uma centena de agentes partidários actuava regularmente nos ecrãs televisivos como «comentadores», ou seja, como propagandistas das suas crenças, pois não lhes cabe outra função que não seja essa. Presumo que algo semelhante sucede em países comparáveis e é conhecido que este número extraordinário de agentes partidários é geralmente remunerado, como se não fossem oficiais de outro ofício, só não se sabe qual a tabela remuneratória, com a curiosa desproporcionalidade de «um por partido» nas chamadas mesas-redondas. Numa palavra, sem os inúmeros canais que enxameiam as nossas televisões, a grande maioria desses agentes de propaganda política não existiria.

Os melhores cientistas políticos têm analisado a difusão deste novo fenómeno, começando por observar a influência exercida pelos agentes políticos tradicionais, democráticos ou não, sobre os órgãos de comunicação social e acabando por verificar que os «media», com a crescente «espectacularização» da tecnologia televisiva, passaram a preponderar sobre eles e, finalmente, a submetê-los aos ditames da imagem televisiva. Desde a emergência daquilo a que Guy Debord chamou «a sociedade do espectáculo» (1967), precursora das «espirais» do «silêncio» (E. Noelle-Neuman, 1974) e do «cinismo» (J. Cappella & K. H. Jamieson, 1997), a TV fez dos agentes partidários figuras de espectáculo, caracterizadas por aquilo a que hoje se dá o nome de «discursos de ódio»: sem um modicum de ódio não há espectáculo e, sem um quantum de espectáculo, não há política nem agentes do estado vigente.

Dado o baixo nível de literacia e, consequentemente, de informação fidedigna por parte de grande parte da população portuguesa, sobretudo a mais idosa, o império da televisão e o espectáculo dos agentes políticos estão a tornar-se o prato de cada dia, presumivelmente com raros picos de audiência como aqueles que trouxeram há pouco tempo o primeiro-ministro a um programa matinal de alegado êxito conquistado a peso de ouro pela SIC à TVI ou, num género diferente mas ininterrupto, as cenas de encantamento mútuo entre o presidente da República e qualquer público que dele se aproxime entusiasmado, seja em território português ou nas antigas colónias…

O populismo encontrou assim em Portugal um duplo comportamento cujos efeitos políticos não se comparam aos do populismo agressivo e militante das direitas e esquerdas extremas, mas cujas consequências para a mudança da nossa sociedade serão nefastas. Uma rápida análise dos dados da audiência que assistiu ao espectáculo da cataplana cozinhada pelo primeiro-ministro e família no tal programa matinal acaba por mostrar a natureza do público em questão, assim como os seguimentos político-partidários que daí se podem esperar…

Com efeito, se é exacto que o programa da SIC conquistou uma forte percentagem dos espectadores que viram televisão naquele dia e o primeiro-ministro teve uma elevada audiência para a sua exibição como cozinheiro, em compensação eram relativamente poucos os consumidores habituais de propaganda política. Do ponto de vista sócio-demográfico, tratava-se predominantemente de um público idoso, sobretudo feminino e pertencente aos estratos sociais mais baixos da população, ou seja, eram na sua maioria eleitores dos que se abstem nas eleições e não partilham as suas eventuais opiniões políticas e inclinações partidárias.

Os dados que rodeiam esta operação mediática mostram, pois, como é grande a distância entre o poder e as populações. Ao mesmo tempo, porém, os agentes partidários precisam deste tipo de publicidade para combater, desde logo no caso português, a tendência cada vez maior dos eleitores para a abstenção. Simultaneamente, operações como esta, assim como a repetição ad nauseam dos desfiles presidenciais em Angola, destituídos como são de qualquer conteúdo político que não seja o puro espectáculo, tais operações não fazem mais do que exibir a total dependência dos agentes partidários em relação à televisão. Amanhã, outros agentes farão exactamente o mesmo com idêntico inêxito, ou seja, sem qualquer conteúdo nem mudança real para a vida de um país que se entregou completamente a uma conjuntura internacional demasiado instável!

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

O que fazer? /premium

Manuel Villaverde Cabral

Se a UE quisesse acabar de vez com a abstenção e, sobretudo, com os «soberanistas», deveria pôr o eleitorado de todos os países a votar na mesma lista de cada um dos partidos europeus.

União Europeia

Eleições europeias: cá e lá /premium

Manuel Villaverde Cabral

Os nossos governos foram sempre, desde a adesão à CEE em 1986, dos que mais vezes dizem uma coisa lá e outra cá, de molde a desresponsabilizar-se dos eventuais inconvenientes das decisões colectivas.

Crise Política

Dar o dito por não dito /premium

Manuel Villaverde Cabral

O Presidente da República, habitualmente tão loquaz, nem piou. Calculou que o «bando dos quatro» não se aguentaria, como não se aguentou, borregando antes de a semana findar. 

Televisão

Os novos gladiadores /premium

Laurinda Alves

Tal como na Roma antiga se juntavam multidões para incitar ver morrer gladiadores, também os espetadores do Jeremy Kyle Show gostavam de ter sangue todas as manhãs e de ver inocentes lançados às feras

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)