Logo Observador
Canábis

A cannabis chegou à cozinha

377

Nos Estados Unidos, são cada vez mais os chefs que estão a abandonar os restaurantes onde trabalham para se dedicarem a um outro tipo de culinária.

AFP/Getty Images

No Colorado, são vários os chefs que estão a abandonar os seus antigos trabalhos para se dedicarem a outro negócio mais lucrativo — cozinhar alimentos com cannabis. Mas o Colorado não é o único estado norte-americano a seguir esta nova tendência. Um pouco por todo o país, a história repete-se: em Washington, um dos quatro estados que permite a venda da droga para uso recreativo, uma nova pastelaria promete oferecer aos clientes bolos menos convencionais e, em Nova Iorque, são várias as editoras que estão a ponderar envolver-se em livros de cozinha relacionados com cannabis. É oficial: a marijuana chegou à cozinha.

Ken Albala, diretor do programa de estudos alimentares da Universidade do Pacífico em São Francisco, não hesitou em afirmar ao New York Times que “não demorará muito até que [a cannabis] se torne parte da haute cuisine e da cultura culinária”. Contudo, para que isso aconteça, é necessário resolver algumas questões.

Um dos problemas de cozinhar cannabis tem a ver com o sabor. Apesar dos seus potenciais culinários, a planta não tem um sabor muito agradável. Muitos cozinheiros comparam o uso de cannabis com cozinhar com vinho ou bebidas espirituosas. Contudo, o uso de álcool para cozinhar fornece um componente aromático importante, enquanto na cannabis o objetivo é esconder o sabor.”Tenho a certeza de que alguém vai conseguir fazer crescer alguma que é realmente deliciosa e todos vamos aprender com isso”, afirmou Ruth Reichl, antiga editora da revista Gourmet. “Quem é que iria adivinhar que a couve ia ser o alimento verde mais comum num prato ou que as pessoas iriam fazer fila para provarem gelado de queijo azul?”, questionou.

Outro problema diz respeito à dificuldade em conseguir controlar o efeito da planta quando esta é digerida. Cozinhar com marijuana requer saber controlar os canabinóides, como o tetraidrocanabinol, uma substância que altera o humor e as sensações. Para que o efeito seja consistente, a cannabis deve ser comida quente e combinada com gorduras, como a manteiga ou o azeite. Os efeitos são também mais controláveis se a planta for cozinhada com chocolate, porque pode ser distribuída de forma mais uniforme. Por outro lado, adicionar a dose certa em pratos salgados pode ser mais complicado.

Apesar das dificuldades, são muitos aqueles que garantem que o futuro da cozinha está na cannabis. Para o autor Michael Ruhlman não há dúvidas: cozinhar cannabis irá tornar-se banal, mas só quando “alguém o conseguir fazer sem ser ridicularizado”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Catolicismo

Maria Madalena: a apóstola dos apóstolos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
442

Todas as mulheres cristãs, sem necessidade do sacramento da Ordem, podem e devem ser, sejam leigas ou consagradas, solteiras ou casadas, apóstolas de apóstolos, como Maria Madalena.

Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus
107

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.