Podemos

Afinal quem pode? Amaral Dias e Ramos Almeida lançam novo projeto político

155

Da cisão do Podemos nasce o "Agir", novo movimento político de esquerda anunciado por Joana Amaral Dias e Nuno Ramos de Almeida.

Joana Amaral Dias, ex-deputada do Bloco de Esquerda, já não fará parte do movimento Juntos Podemos. Depois de colaborar com o fenómeno inspirado em Espanha, Amaral Dias decidiu separar-se, mas nem por isso renunciar à participação ativa na política portuguesa. Em conjunto com o ex-militante do Partido Comunista Nuno Ramos de Almeida, que também acompanhou a entrada – e a saída – do Podemos, lançou o movimento político “Agir” para participar nas próximas eleições legislativas.

A TVI24 conta que é já em março que o “Agir” vai nascer, durante uma conferência internacional em Lisboa nos dias 21 e 22. A Fábrica do Braço de Prata vai receber convidados do partido grego Syriza e do «Podemos» espanhol, e ainda Manolo Moreneo, antigo militante do Partido Comunista Espanhol, Pacheco Pereira e o sociólogo Boaventura Sousa Santos. Na página do Facebook do movimento Agir já está o programa provisório da Conferência Internacional Criar Alternativas.

A conferência irá decidir de que forma o movimento vai participar nas eleições. À semelhança do Juntos Podemos, o movimento «Agir» defende a transparência no exercício de cargos políticos e o combate à corrupção. Como o procuram ambos? O Juntos Podemos diz impor limite de salários e apertar o controlo legal na transição de cargos públicos para privados. Já o «Agir» admite, em comunicado à Lusa, querer mudanças estruturais na democracia portuguesa. O movimento Juntos Podemos teve, recentemente, a demissão de 14 dos 21 membros da direção, entre os quais alguns dos fundadores do «Agir».

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidente Trump

As semelhanças entre Obama e Trump

João Marques de Almeida

A eleição de Trump foi a derrota das elites bem pensantes e do establishment dos media, que prefere escrever para os seus egos e os seus pares em vez de tentar entender o que se está a passar nos EUA.

Vladimir Putin

Síria: não há forma de lavar a hipocrisia 

José Milhazes

Lavrov apoiou a acção turca porque os ataques visam curdos e outras forças sírias apoiadas pelos EUA. Não é difícil imaginar o regozijo reinante no Kremlin face à luta entre parceiros da NATO na Síria

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site