Logo Observador
Amor

O amor não tem preconceitos

761

São esqueletos. Portanto, não têm raça, idade, género ou religião. São apenas humanos. "Love Has No Labels" é o vídeo que incentiva ao fim do preconceito.

Este é o vídeo que está a conquistar a Internet.

“Antes de alguma coisa, todos nós somos humanos. É tempo de abraçar a diversidade. Vamos pôr de lado as etiquetas, em nome do amor”. Esta é a principal mensagem do vídeo que está a preencher as redes sociais nos últimos dias.

“Diversity & Inclusion – Love Has No Labels” é o nome do vídeo que mostra um monitor de raio-X de grandes dimensões instalado em Santa Monica, nos Estados Unidos da América. À primeira vista, o público não vê mais que dois ou mais esqueletos a dançarem ou a demonstrarem carinho. A surpresa surge quando esses corpos avançam para a frente do ecrã e as pessoas se dão conta que aqueles esqueletos são afinal casais homossexuais ou amigos com raças, idades ou religiões diferentes.

O projeto foi lançado no Dia dos Namorados pela Ad Council, cuja missão é “distribuir e promover campanhas que melhoram a vivência quotidiana”. Através dos seus programas de comunicação, a empresa pretende fomentar o diálogo e a ação para “fazer uma diferença notável na sociedade”.

Segundo o site da campanha, é comum que as pessoas façam julgamentos precipitados de acordo com o que vemos, evidenciando aspetos como raça, idade, religião, orientação sexual ou deficiência. “Mesmo assim, nem todos estamos conscientes do nosso preconceito”. É por isso que se utiliza o termo “viés implícito”, isto é, uma distorção no modo como se perspetiva o mundo e que acontece de forma inconsciente.

“O objectivo é celebrar e apreciar as nossas diferenças e reconhecer que temos criado sentimentos preconceituosos em relação às pessoas que são diferentes de nós”, esclarece Ellyn Fisher, da Ad Council ao Today. Para tal, a campanha “Love Has No Labels” disponibiliza histórias de pessoas que sentiram o preconceito na pele. Em contrapartida, também disponibiliza uma lista de conselhos para abandonar esse tipo de atitudes inconscientes.

O conceito é simples: “sensibilizar para travar as etiquetas e o preconceito” é o que se pode ler em letras capitais no final da página da campanha. No YouTube, o vídeo já tem mais de 15 milhões de visualizações.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família

Pai

Laurinda Alves
47.723

Escrevo para que outros filhos e outros pais não se esqueçam de que tudo passa, menos o amor. No coração de um pai ficam para sempre gravados todos os gestos de amor. No coração dos filhos também.

Violência Doméstica

Mestrado em sexo forçado?

Laurinda Alves
1.809

Não está nas nossas mãos começar nem terminar namoros alheios, mas está ao nosso alcance ficar disponíveis para ouvir e conversar sobre estes temas complexos e delicados, sem moralismos nem devassas. 

Família

Três irmãs e um irmão, 4 personalidades distintas

Margarida Corrêa de Aguiar

A companhia dos irmãos pode exercer um papel relevante no nosso futuro – dela retiramos lições que são referências. É uma sorte quando acontece de forma construtiva. Estou contente por ter sido assim.