Logo Observador
Amor

O amor não tem preconceitos

761

São esqueletos. Portanto, não têm raça, idade, género ou religião. São apenas humanos. "Love Has No Labels" é o vídeo que incentiva ao fim do preconceito.

Este é o vídeo que está a conquistar a Internet.

“Antes de alguma coisa, todos nós somos humanos. É tempo de abraçar a diversidade. Vamos pôr de lado as etiquetas, em nome do amor”. Esta é a principal mensagem do vídeo que está a preencher as redes sociais nos últimos dias.

“Diversity & Inclusion – Love Has No Labels” é o nome do vídeo que mostra um monitor de raio-X de grandes dimensões instalado em Santa Monica, nos Estados Unidos da América. À primeira vista, o público não vê mais que dois ou mais esqueletos a dançarem ou a demonstrarem carinho. A surpresa surge quando esses corpos avançam para a frente do ecrã e as pessoas se dão conta que aqueles esqueletos são afinal casais homossexuais ou amigos com raças, idades ou religiões diferentes.

O projeto foi lançado no Dia dos Namorados pela Ad Council, cuja missão é “distribuir e promover campanhas que melhoram a vivência quotidiana”. Através dos seus programas de comunicação, a empresa pretende fomentar o diálogo e a ação para “fazer uma diferença notável na sociedade”.

Segundo o site da campanha, é comum que as pessoas façam julgamentos precipitados de acordo com o que vemos, evidenciando aspetos como raça, idade, religião, orientação sexual ou deficiência. “Mesmo assim, nem todos estamos conscientes do nosso preconceito”. É por isso que se utiliza o termo “viés implícito”, isto é, uma distorção no modo como se perspetiva o mundo e que acontece de forma inconsciente.

“O objectivo é celebrar e apreciar as nossas diferenças e reconhecer que temos criado sentimentos preconceituosos em relação às pessoas que são diferentes de nós”, esclarece Ellyn Fisher, da Ad Council ao Today. Para tal, a campanha “Love Has No Labels” disponibiliza histórias de pessoas que sentiram o preconceito na pele. Em contrapartida, também disponibiliza uma lista de conselhos para abandonar esse tipo de atitudes inconscientes.

O conceito é simples: “sensibilizar para travar as etiquetas e o preconceito” é o que se pode ler em letras capitais no final da página da campanha. No YouTube, o vídeo já tem mais de 15 milhões de visualizações.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Verão

Crónicas de Verão – O Amor

Paulo de Almeida Sande
105

Digam-me os leitores que esta crónica é fútil, inútil, ignorável; digam-me que amar é irrelevante, porque só amamos por capricho, um fútil devaneio, e no fundo, lá no fundo, é a nós mesmos que amamos.

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus
1.073

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.

Família

Pai

Laurinda Alves
47.723

Escrevo para que outros filhos e outros pais não se esqueçam de que tudo passa, menos o amor. No coração de um pai ficam para sempre gravados todos os gestos de amor. No coração dos filhos também.

Férias

O Sport-Billy não tinha filhos

Tiago Duarte

Há um dia em que um filho se transforma em pai e verifica que está sozinho. Só ele, a mala do carro e uma montanha de sacos e saquinhos que a sua mulher vai depositando na entrada da casa.