Logo Observador
Canábis

Homem de 27 anos detido pela posse de 148 quilos de canábis na Póvoa de Varzim

281

Um homem foi detido na segunda feira pela posse de 148 quilos de cánabis, no seguimento de uma operação da Divisão de Investigação Criminal da PSP do Porto.

Durante a operação foram, também, encontrados 60 pés de plantas de cánabis

Gerard Damoiseaux/EPA

A PSP anunciou esta terça-feira que um homem de 27 foi detido, na Póvoa de Varzim, pela posse de 148 quilos de canábis, quantidade suficiente para cerca 740 mil doses individuais.

Em comunicado, o Comando Metropolitano do Porto daquela força policial explica que foram encontrados 60 pés da planta, que seriam suficientes para produzir 600 mil doses, para além de cerca de 140 mil unidades já preparadas.

A operação foi realizada na segunda-feira, por efetivos da Divisão de Investigação Criminal da PSP do Porto e resultou em duas buscas não domiciliárias na freguesia de Aver-o-Mar, Póvoa de Varzim.

Durante os procedimentos, foram também apreendidas várias sementes de canábis, sistemas de ventilação, iluminação e rega, bem como outros artigos utilizadas para esta atividade ilícita.

De acordo com as autoridades, no decurso da operação foi desmantelada uma estufa destinada à plantação do referido estupefaciente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catolicismo

Maria Madalena: a apóstola dos apóstolos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
442

Todas as mulheres cristãs, sem necessidade do sacramento da Ordem, podem e devem ser, sejam leigas ou consagradas, solteiras ou casadas, apóstolas de apóstolos, como Maria Madalena.

Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus
107

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.