Logo Observador
Santa Casa de Lisboa

Santa Casa. Costa reconduz Pedro Santana Lopes

289

O gabinete do primeiro-ministro anunciou que o mandato da Mesa da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa foi renovado. Pedro Santa Lopes mantém-se como provedor.

Pedro Santana Lopes é provedor da Santa Casa da Misericórdia desde 2012

Álvaro Isidoro / Global Imagens

António Costa e Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, renovaram o mandato da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML). Pedro Santana Lopes mantém-se como provedor da organização.

O ex-vice-provedor, Fernando Paes Afonso, pediu a demissão do cargo nos finais de janeiro, sendo substituído por Edmundo Martinho, ex-presidente do Conselho Nacional da Segurança Social.

É também anunciado que Sérgio Cintra, curador da Fundação “O Século”, exercerá as funções de vogal na Santa Casa, sendo os outros dois Helena Lopes da Costa e Ricardo Alves Gomes.

O provedor da Santa Casa é nomeado por três anos, através de despacho do primeiro-ministro e do ministro com a pasta da Segurança Social. O vice-provedor e vogais são nomeados pelo Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, com um parecer do provedor, também por um período de três anos. A Mesa pode ser renovada por períodos de três anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Lisboa em Agosto -- Parte 3

Lucy Pepper

Continua a saga em banda desenhada da nova vida que o turismo trouxe a Lisboa. As coisas que desapareciam existem agora em abundância. 

Rio 2016

Cristianismo e Jogos Olímpicos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Se é à revolução francesa que se deve a restauração do olimpismo, como explicar que os Jogos Olímpicos só tenham recomeçado “moderna e definitivamente em 1896”, ou seja … mais de cem anos depois?!

Rio 2016

O fracasso olímpico e o culto das medalhas

André Azevedo Alves

Parece altamente duvidoso que haja algum benefício no frenesim nacionalista criado em torno da concorrência por medalhas olímpicas mas, tê-lo, que se distribuam os recursos de forma mais eficiente.