Logo Observador
Panama Papers

Panama Papers. Governo vai usar “todos os mecanismos legais” sobre portugueses envolvidos

174

Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais garante que Governo vai usar "todos os mecanismos legais" para tributar os rendimentos dos portugueses que venham a ser identificados nos "Panama Papers".

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O Governo admite que há “informação relevante” a apurar sobre portugueses contida nos Panama Papers e garante que vai “usar todos os mecanismos legais” no sentido de tributar os rendimentos dos portugueses que venham a ser apanhados na rede da investigação jornalística, anunciou esta tarde no Parlamento o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade. A ideia é ir mesmo “até às últimas consequências”. Segundo o governante, a tentativa de obtenção dessa informação será feita através da Autoridade Tributária, que, diz, tem “meios legais suficientes” para o fazer.

“Não só tentaremos obter toda a informação relevante, como serão utilizados todos os mecanismos legais no sentido de serem tributados aqueles rendimentos e aqueles patrimónios que devam imposto em Portugal e cuja ocultação agora se detete e que sejam levados as últimas consequências todas as omissões de deveres fiscais, nomeadamente deveres declarativos que sejam revelados através deste processo”, disse à margem de um debate de atualidade promovido pelo Bloco de Esquerda.

Deixando claro o “empenho do Governo” nesta matéria, Rocha Andrade afirmou que o Governo irá “utilizar todos os mecanismos legais para tributar os rendimentos e patrimónios caso se verifiquem omissões de deveres declarativos”. Isto porque, disse, pode haver “um conjunto de informações relevantes face a contribuintes portugueses nos chamados Panama Papers”. Segundo Rocha Andrade a Autoridade Tributária tem “meios legais suficientes” para agir neste sentido.

O governante falava no Parlamento à margem de um debate de atualidade sobre os Panama Papers promovido pelo Bloco de Esquerda, onde sublinhou ainda que o Governo estava em condições de dar entrada na Assembleia da República nas “próximas semanas” com propostas de lei para legislar o sistema de troca de informações entre os Estado, para ajudar à identificação dos beneficiários coletivos, branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo. A ideia é atacar o problema através da “cooperação internacional”.

No entanto, o secretário de Estado relativizou o caso jornalístico. “Esta realidade não é nova, não descobrimos esta semana que há locais no mundo onde são ocultados patrimónios e rendimentos. É uma realidade que favorece a ocultação do crime económico, crime organizado, corrupção, e favorece o financiamento do terrorismo e a fuga aos impostos que obriga depois os Estados a sobrecarregarem com impostos mais elevados aqueles que não têm a possibilidade de pagar”, acrescentou ainda na sua intervenção.

Madeira, o “elefante na sala”

O debate, que abriu esta quarta-feira os trabalhos no plenário da Assembleia da República, era sobre os chamados “Panama Papers” – a investigação jornalística que divulgou a existência de bens em off-shores de 140 responsáveis políticos ou personalidades públicas, incluindo portugueses -, e vincou as diferenças entre os partidos sobre o tema. Se, por um lado, BE e PCP se mostraram totalmente contra a existência de off-shores, PS, PSD e CDS não chegaram a tanto e preferiram sublinhar a necessidade de resolver o problema através da “cooperação internacional” entre os Estados no sentido de combater a utilização que é feita dos off-shores para encobrir crimes económicos.

O debate, no entanto, acabou por se centrar nas divergências entre as bancadas sobre o off-shore da Madeira, com o CDS e o PSD a vincarem que a Madeira não deve ser posta “no mesmo saco” do que o paraíso fiscal do Panamá, por ser “um centro de negócios bem supervisionado pela OCDE, pela União Europeia e por várias instituições portuguesas”, segundo lembrou o PSD. Também o CDS, pela voz do deputado João Almeida, defendeu que o “centro de interesses da Madeira é bom para a atração de emprego e de investimento na região”, e que, “pôr a Madeira ao nível do Panamá é ignorância e um atentado ao interesse nacional”.

A questão da Madeira tinha sido levantada pela deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua, que lhe tinha chamado “o elefante na sala”. “Portugal tem o seu próprio off-shore. A Madeira ficou conhecida internacionalmente como um paraíso especializado na manipulação da contabilidade de inúmeras empresas. É preciso separar de vez o que são incentivos legítimos e devidos a uma zona ultraperiférica daquilo que são instrumentos de benefício fiscal e legal absolutamente injustificados”, disse a bloquista durante a sua intervenção política, declarando que “os cidadãos da Madeira não podem ser reféns do seu off-shore”.

Em resposta às críticas das bancadas da direita, Mariana Mortágua subiu o tom para reiterar que “ninguém está a dizer que o off-shore da Madeira tem o mesmo tipo de características do Panamá”, mas “não deixa de ser um off-shore”. E avançou com um exemplo de má utilização, referindo-se a dois jogadores de futebol: “Xabi Alonso e Javier Mascherano, ambos criaram duas empresas na praça financeira da Madeira, pagaram 4% de IRC mas para isso eram obrigadas a criar um posto de trabalho – e criaram, criaram um posto a quem pagavam 70 euros por mês. Se isto é criar investimento, vou ali já volto”, disse.

O PS, no entanto, não acompanhou o registo dos parceiros da esquerda, falando mesmo em “pedidos inexequíveis”, numa referência ao pedido do BE, PCP e Verdes para acabar com o off-shore da Madeira. Perante os reptos da esquerda, o deputado socialista João Galamba não respondeu diretamente, optando antes por falar na necessidade de haver “penalização efetiva” das transferências para países não cooperantes no sentido da partilha da informação e um agravamento “na medida do possível” da taxação sobre essas transferências. “Não há maior crime contra a democracia do que a fuga aos impostos”, rematou Galamba, acrecsentando que o probelma deve ser resolvido com base na “cooperação multilateral”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos