Logo Observador
Assunção Cristas

É oficial: Assunção Cristas avança para Lisboa. “Não sou de virar a cara”

911

A líder do CDS vai ser candidata à Câmara Municipal de Lisboa. PSD/Lisboa encara candidatura com naturalidade, mas lembra responsabilidade de Cristas na "muito negativa" lei das rendas.

Os sociais-democratas não "apoiarão nenhuma candidatura a Lisboa encabeçada por um dirigente de outro partido"

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

A líder do CDS, Assunção Cristas, anunciou este sábado, em Oliveira do Bairro, a candidatura à Câmara Municipal de Lisboa.

Na rentrée do partido, a sucessora de Paulo Portas explicou o porquê de avançar para Lisboa. “Já me vão conhecendo e sabem que eu não sou de deixar para amanhã aquilo que posso fazer hoje. Não sou de virar a cara. Sou de fazer aquilo que peço aos outros para fazerem. Sou de me empenhar. E é por isso é que dou o meu exemplo”. Estava formalizado o que há muito já se discutia no Largo do Caldas. Com este anúncio, Assunção Cristas antecipa-se aos sociais-democratas, que continuam sem avançar com um candidato à autarquia lisboeta.

Pedro Passos Coelho já reagiu à decisão de Assunção Cristas, sublinhando, no entanto, que “este não é o momento” para fazer qualquer anúncio. “O PSD tem uma estratégia e que não passa por fazer a sua escolha nesta altura. As pessoas que respirem fundo e que estejam calmas. Não vale a pena estarem ansiosas, porque nós não vamos, nos próximos meses, tomar uma decisão sobre a escolha da candidatura a Lisboa”.

O líder social-democrata explicou depois que Assunção Cristas “teve a cordialidade” de o tentar prevenir telefonicamente sobre o anúncio da candidatura, mas os dois acabaram por se desencontrar. “De facto não conseguiu porque eu estive aqui em ação e não pude atender o telefone, mas vi depois a mensagem que me tentou contactar, para que eu não fosse apanhado de surpresa”, contou Passos.

Carlos Carreiras, coordenador autárquico do PSD, por sua vez, deixou claro que o partido não foi avisado desta candidatura. “Não fomos contactados, não há acordo nenhum”, sublinhou Carlos Carreiras, em declarações ao Diário de Notícias.

Mauro Xavier, líder da concelhia do PSD/Lisboa, fez questão de deixar bem claro que os sociais-democratas não “apoiarão nenhuma candidatura a Lisboa encabeçada por um dirigente de outro partido”. Em declarações ao Observador, o dirigente social-democrata assegurou ainda que o anúncio de Cristas “não alterou em nada” a estratégia do PSD — o calendário é mesmo para manter e não será a decisão da líder democrata-cristã a precipitar qualquer decisão.

A candidatura da presidente do CDS é “encarada com toda a naturalidade” pelo PSD/Lisboa, reitera Mauro Xavier, lembrando as candidaturas de Paulo Portas, em 2001, e Maria José Nogueira Pinto, em 2005, que renderam um vereador aos democratas-cristãos.

No entanto, Mauro Xavier não deixa de dar uma alfinetada à presidente do CDS: “Fico um bocadinho preocupado porque Assunção Cristas foi responsável pela lei das rendas que teve um impacto muito negativo na cidade de Lisboa”. A corrida à Câmara de Lisboa vai começar.

O anúncio de Assunção Cristas não deixa de ter o seu quê de inesperado — tão inesperado que apanhou as próprias televisões desprevenidas, não conseguindo transmitir o discurso da líder do CDS em direto. Na quinta-feira, a questão da candidatura foi discutida na reunião da comissão política nacional, com várias figuras do partido a aconselharem cautela à líder democrata-cristã. Um eventual mau resultado de Cristas em Lisboa poderia fragilizar a sua posição perante o eleitorado e — sobretudo — perante o partido.

Este sábado, na rentrée do partido, Assunção Cristas reconheceu a “dificuldade” da corrida autárquica “em Lisboa e no resto do país”, mas garantiu que chegará à corrida eleitoral com “as melhores ideias e as melhores propostas”. A líder do CDS também não esqueceu aqueles que lhe aconselharam cautela. “Há quem diga que é preciso cautela porque que vêm aí legislativas. Não nos podemos preocupar com o que não depende de nós”, fez notar a líder centrista.

Como explicava o Observador, nas hostes centristas corria a ideia de que já não era possível fazer marcha atrás na candidatura. Cristas quer provar quanto vale nas urnas e decidiu avançar mesmo sem ter fechado o acordo com o PSD.

O caso só muda de figura se Pedro Santana Lopes avançar — algo que o ex-primeiro-ministro continua sem confirmar ou descartar. Se assim for, a líder do CDS pode desistir de uma candidatura própria em prol de outra mais ganhadora à direita, que tivesse em melhores condições de derrotar Fernando Medina.

De acordo com o Expresso, Paulo Portas terá tentado sensibilizar Passos Coelho e convencê-lo a apoiar a candidatura de Assunção Cristas. Mas um eventual apoio dos sociais-democratas à líder democrata-cristã parece ser, neste momento, pouco provável. Em declarações à revista Sábado, Carlos Carreiras, descartou, ainda que de forma implícita, esse possível apoio. “Apresentaremos candidaturas lideradas por militantes, simpatizantes ou independentes indicados pelo PSD”.

A confirmar-se, esta seria apenas a quarta vez desde 1976 que o CDS entra na corrida à Câmara Municipal de Lisboa a solo — por norma, os democratas-cristãos têm preferido reeditar a Aliança Democrática com o PSD. Nas vezes em que se apresentaram sozinhos — 1976, 1993, 2001 e 2005 — os resultados não têm sido os mais animadores: o melhor que conseguiram foi precisamente em 1976, quando chegaram aos 18,95% dos e elegeram 3 vereadores.

Em 1979 e 1985, o CDS, apoiado pelos sociais-democratas, conseguiu conquistar a autarquia elegendo e reelegendo Krus Abecassis. Foram as únicas vitórias dos centristas. E nem Paulo Portas conseguiu inverter essa tendência. Em 2001, o então líder do CDS ficou-se pelos 7,59%, numa eleição vencida por Pedro Santana Lopes — o mesmo que pode avançar contra Assunção Cristas 15 anos depois.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida
276

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados