Logo Observador
Orçamento do Estado

Manuais escolares gratuitos para todos os alunos do 1.º ciclo no próximo ano

134

O Governo deve alargar a gratuitidade dos manuais escolares a todos os alunos do 1.º ciclo já no próximo ano letivo.

Este ano, pela primeira vez, os manuais escolares foram oferecidos a todos os alunos do 1.º ano

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

No próximo ano letivo, todos os alunos do 1.º ciclo deverão ter acesso a manuais escolares gratuitos. O Observador sabe que esta é a intenção do Governo e que esta deverá constar da proposta final de Orçamento do Estado para 2017 que vai ser entregue, esta sexta-feira, aos deputados.

A medida vai assim ao encontro daquilo que a secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, já tinha defendido este verão e responde positivamente a uma das reivindicações do PCP. Em setembro, Jerónimo de Sousa garantiu que o partido ia continuar a lutar para que os manuais escolares fossem gratuitos para todo o primeiro ciclo em 2017/2018. Os cálculos feitos pelos comunistas apontam para uma despesa de 14 milhões de euros.

Mas, como o Observador já tinha noticiado, o Governo tinha previsto inicialmente alargar a gratuitidade dos manuais apenas aos alunos do 2.º ano, mas tendo em estudo a possibilidade de alargar a medida a todo o 1.º ciclo, como admitiu a própria governante numa entrevista dada esta semana ao jornal Público.

92% dos alunos do 1.º ano receberam manuais gratuitos este ano

Este ano, pela primeira vez, os manuais escolares (excluindo livros de fichas) foram oferecidos a todos os alunos do 1.º ano, inclusive os que frequentam escolas privadas. Segundo Alexandra Leitão, na mesma entrevista, 92% dos alunos usufruíram deste apoio do Estado que custará aos cofres públicos cerca de três milhões de euros.

Em troca, os encarregados de educação tiveram de assinar um termo de responsabilidade onde se comprometeram a devolver os livros no final do ano letivo para poderem ser usados por outras crianças no ano seguinte. E caso os livros não cheguem em bom estado, terão de os pagar.

Este foi um ponto que gerou alguma discussão, nomeadamente pelo facto de ser difícil impedir que as crianças, tão pequenas, utilizem os manuais à vontade e os risquem. Aliás, vários professores vieram dizer que muitos dos exercícios do 1.º ano de ensino são para fazer nos próprios livros.

Mas ainda em agosto, e questionada pelo Observador, fonte oficial do Ministério da Educação respondeu que “a orientação é que, ainda que promovendo, sempre que possível, a crescente responsabilização relativamente à utilização dos manuais e a sua devolução à escola, todos os alunos façam uma utilização normal e máxima dos seus livros” e que “não haverá famílias prejudicadas”.

Mais recentemente, em parecer feito a pedido da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, o constitucionalista Gomes Canotilho considerou que a reutilização dos manuais, proposta pelo Governo, favorece a desigualdade social e o insucesso escolar. Alexandra Leitão já fez questão de discordar desta posição.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
Economia

A vida para além do défice

Helena Garrido
212

Mário Centeno é o único ministro que pode ir de férias convencido que cumpriu a sua missão. O terrível mês de Julho impediu o Governo de festejar a vitória na economia mas fez história.

Orçamento do Estado

Cativações: pecado e redenção

Joana Vicente

O recurso sistemático às cativações tem funcionado como uma ferramenta de não-gestão orçamental. O atual Governo, a bem dos objetivos orçamentais, tem sido o maior pecador cativador. 

Ordem dos Médicos

Qual é o papel da Ordem dos Médicos?

António Silva Carvalho

A Ordem dos Médicos, criada com a louvável intenção de garantir a excelência ética e técnica da profissão médica, acabou por subverter essa tão nobre e importante função social.

Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer