Sondagens

Sondagem. Um ano depois, PS chega aos 43% e fica perto da maioria absoluta

2.015

Se as eleições fossem hoje o PS teria 43% dos votos, de acordo com uma sondagem da Universidade Católica. PSD, em mínimos históricos, fica-se pelos 30%. Popularidade de Marcelo em alta.

© Hugo Amaral/Observador

Na semana em que se assinala um ano desde que o governo do PS, apoiado pelo BE, PCP e PEV, tomou posse, é divulgada uma sondagem do Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica que não podia ser mais favorável aos socialistas: se as eleições fossem hoje o PS de António Costa teria 43% dos votos, ficando muito perto da maioria absoluta e podendo dar-se ao luxo de dispensar os partidos que o apoiam no Parlamento. O PSD, que há um ano, quando estava coligado com o CDS, tinha 41% das intenções de voto, fica-se agora pelos 30% — ou 36%, se juntarmos os 6% atribuídos aos democratas-cristãos.

É uma subida acentuada para os socialistas. Há um ano, uma sondagem realizada pelo mesmo centro de estudos da Universidade Católica punha o PS no patamar dos 34%, o que representa uma subida de nove pontos percentuais face ao inquérito realizado em dezembro de 2015, apenas três meses depois das eleições, e uma subida ainda maior face ao resultado efetivo que os socialistas tiveram nas urnas: 32%. Em sentido contrário estão os sociais-democratas, que nas urnas (coligados com o CDS) obtiveram 36,8% dos votos, na sondagem da Universidade Católica de dezembro tiveram 41% das intenções de voto, e agora ficam-se pelos 30%.

Já o CDS de Assunção Cristas, que tomou posse em março e ainda não foi a eleições enquanto líder do partido, fica-se pelos 6% das intenções de voto, o que faz com que a antiga coligação de direita PSD/CDS obtenha agora 36% das intenções de voto, de acordo com a mesma sondagem.

À esquerda, o BE desce dos 11% das intenções de voto que tinha registado no último barómetro, há um ano, para 8%; enquanto o PCP (com os Verdes) desce de 7% para 6%. O PAN mantém os 2%.

À pergunta “que nota dá, de 0 a 20, à forma como cada político tem atuado desde as legislativas”, os inquiridos deram média positiva a todos menos a Pedro Passos Coelho (8,9) e ao líder do PAN, André Silva (7,1). Os restantes tiveram todos notas positivas, com António Costa a liderar no terreno dos líderes partidários, com uma média de 12,3, e com Marcelo Rebelo de Sousa a bater recordes de popularidade, com uma média de 16,3. Catarina Martins (BE) tem média de 11,6, Jerónimo de Sousa (PCP) fica-se pelos 10,5, e Assunção Cristas (CDS) pelos 10,1.

A sondagem, realizada para o DN/JN e RTP/Antena 1, foi feita entre os dias 19 e 22 de novembro, tendo por base 977 inquéritos considerados válidos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site