Logo Observador
Óbito

Morreu Gorden Kaye, o René de “Allo Allo!”

11.565

Ator tinha 75 anos e foi o principal rosto de uma das mais populares séries de humor da televisão britânica dos anos 1980.

@SherazKRajput/Twitter

Morreu Gorden Kaye, o ator que interpretou o papel de René na série de humor “Allo Allo!” da BBC. Tinha 75 anos e morreu no lar onde estava há alguns anos.

René, o dono de café com um bigode característico, foi o papel em que Kaye mais se distinguiu. A série, que parodiava com as forças nazis que ocuparam território francês durante a II guerra mundial, foi emitida entre 1982 e 1992.

A notícia foi avançada pelo antigo agente de Kaye. Depois da sua participação no “Allo Allo!”, foram poucas as vezes em que o ator voltou a dar corpo a outras personagens. Na verdade, a última vez que Kaye teve uma participação televisiva foi em 2007, precisamente num reencontro dos atores da série de humor britânica.

Ao todo, Gorden participou em 84 episódios da série — o que, por outras palavras, significa que não falhou um único episódio, ao longo de uma época. Mesmo depois de ter sofrido um grave acidente, em 1990 (dois anos antes do fim da série). Gorden nunca teve memória desse acidente, mas a cicatriz que evidencia na testa a partir dessa altura foi resultado de um pedaço de madeira de um poste de publicidade que entrou pelo para-brisas.

Do elenco da série fazia parte a atriz Carmen Silvera, que representava o papel de mulher de René Artois e morreu em 2002, aos 80 anos. Participavam, também, Richard Marner (o coronel Von Strohm), que morreu dois anos mais tarde.

As peripécias do dono do café numa França ocupada pelos soldados alemães eram tema recorrente da série.

Antes de “Allo Allo!”, Gorden — o nome é mesmo assim, com “e”, diferente do habitual Gordon, por causa de um erro de escrita dos serviços do sindicatos de atores britânico, explicou o próprio na sua autobiografia “René e Eu” –, o ator fez de sobrinho de Elsie Tannerna Coronation Street. Teve, também, participações em Ain’t Half Hot Man e Come Back Mrs. Noah.

A participação na série da BBC aconteceu depois de David Croft, o argumentista, ter enviado a Kaye o guião do episódio piloto. O convite foi, desde logo, para que o ator interpretasse o papel de René Artois — pouco antes, tinha rejeitado o convite para integrar uma outra série, “Oh, Happy Band!”, que Kaye rejeitou por não estar disponível, mas esse projeto acabou por desaparecer pouco tempo depois.

Gorden Fitzgerald Kaye nasceu em Yorkshire, Inglaterra, a 7 de abril de 1941 (dois anos e meio antes do fim da guerra que o popularizou).

Numa reação à morte do ator, Shane Allen, responsável da comissão de comédia da BBC, disse que Gorden foi “um comediante terrífico, cuja assinatura de representação, como René Artois, fá-lo merecer um lugar no corredor da fama da comédia”. Allen foca a passagem de Kaye pelo seu papel maior: “Ele foi instrumental na realização de ‘Allo Allo’, uma longa e adorada série. O trabalho dele perdura e o meu pensamento estão com os amigos e os seus mais próximos nesta hora triste”. Já Vicki Michelle — que interpretou o papel de Yvette Carte-Blanche na série “Allo Allo” — partilhou a sua tristeza pela morte do colega numa mensagem no Twitter, considerando-o um ator “brilhantemente talentoso” que amava o mundo. “Nunca haverá outro René“.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.

Maioria de Esquerda

Jogo da Glória: regras e regulamentos

Alberto Gonçalves
128

Na sua página do Facebook, um comentador lembra-lhe educadamente que, além de outras interessantes peculiaridades “culturais”, os ciganos também acham a homossexualidade uma “anomalia”. Recue uma casa