Fotojornalismo

Fotojornalista portuguesa entre 34 profissionais a seguir a nível mundial para a Time

A jornalista portuguesa Violeta Santos Moura está entre as 34 mulheres fotojornalistas, escolhidas por um painel de especialistas designado pela revista Time, para selecionar "34 vozes de todo o mundo".

ZOLTAN BALOGH/EPA

A jornalista portuguesa Violeta Santos Moura está entre as 34 mulheres fotojornalistas, escolhidas por um painel de especialistas designado pela revista Time, para selecionar “34 vozes de todo o mundo”. No texto introdutório, a diretora de fotografia da Time, Kira Pollack, escreve que, enquanto jurada do World Press Photo, ficou chocada ao descobrir que, nos últimos dez anos, o número de mulheres participantes naquele prémio rondava os 15% do total.

A Time abordou as mais aclamadas fotojornalistas, curadoras e diretoras de fotografia na indústria pedindo-lhes que selecionassem uma fotojornalista que encarassem como merecedora de reconhecimento. O resultado é uma coleção impressionante de trabalhos brilhantes de todo o mundo. Para mim, esta lista inclui fotojornalistas que nunca conheci e que fiquei encantada por encontrar”, acrescentou Pollack.

Na lista, Violeta Santos Moura, que já trabalhou para a agência Lusa e para o jornal Público, é descrita pela fotógrafa Tali Mayer como alguém que “captura os ventos silenciosos da mudança na sociedade israelita”.

“O seu olhar aprofundado sobre estes assuntos já muito abordados revela uma nova perspetiva feminina. O seu ponto de vista único ajuda a elaborar uma variedade de assuntos que levam o observador ao clímax visual das suas imagens”, acrescentou Mayer. Nascida em Vila Real, Violeta Santos Moura já trabalhou por Portugal e Espanha, cobrindo ainda o conflito israelo-palestiniano como fotojornalista e correspondente, de acordo com a biografia patente na sua página na Internet, que realça já ter publicado trabalhos na Foreign Affairs, no Haaretz ou no La Vanguardia, entre muitos outros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site