Catarina Martins

Catarina Martins defende limitação de salários de gestores

1.000

A coordenadora do BE afirmou que é preciso limitar os leques salariais das empresas, em alusão à revelação dos vencimentos de António Mexia e Soares dos Santos.

ALEXANDRE RIBEIRO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A coordenadora do BE afirmou que é preciso limitar os leques salariais das empresas, porque ninguém pode ganhar 90 vezes o que ganha um trabalhador, em alusão à revelação dos vencimentos de António Mexia e Soares dos Santos.

“Não podemos ter setores de privilégio ilimitado, precisamos de regras na economia para que o país possa funcionar e ser mais justo”, disse na sexta-feira à noite Catarina Martins, durante a apresentação do candidato bloquista às eleições autárquicas da Maia.

A líder do bloco reagia à divulgação dos ordenados do líder da Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos, que em 2016 recebeu 1,26 milhões de euros, um aumento de 46,6%, e do presidente executivo da EDP, António Mexia, que recebeu 1,38 milhões de euros ilíquidos relativos à remuneração fixa e variável.

“Ficamos a saber quanto é que ganharam por ano em 2016 os patrões das maiores empresas portuguesas, estamos a falar de empresas que empregam milhares de trabalhadores com salários modestos, como são os salários em Portugal, estamos a falar de empresas que têm grandes responsabilidades na economia, a mesma economia que é tão ingrata para a generalidade da população”, frisou.

Catarina Martins sublinhou que “Soares dos Santos quase duplicou o salário de 2015 para 2016 e ganhou o ano passado 1,27 milhões de euros, o equivalente ao que ganham em média 90 trabalhadores do Pingo Doce, ganhou sozinho aquilo que paga em média a 90 trabalhadores do Pingo Doce e aumentou o seu próprio salário em 46%, será que algum dos trabalhadores do Pingo Doce teve um aumento salarial de 46%?”.

Catarina Martins perguntou ainda se algum dos fornecedores da Jerónimo Martins, produtores industriais ou agricultores viram a sua situação melhorar “sequer um quarto” do que melhorou o salário do presidente do grupo.

“Mas, há ainda melhor, António Mexia, o patrão da EDP, ganhou o ano passado mais de dois milhões de euros, a cada dia que passou António Mexia ganhou dez salários mínimos nacionais, por dia são mais de 5.500 euros, vejam bem”, referiu.

A líder do BE acusou António Mexia de ser o patrão de uma empresa que tem trabalhadores temporários nos `call center´ com práticas abusivas de trabalho, insegurança, pressão e “quase nada de salário”.

“E quando nos olhamos para esta economia, quando olhamos para este Mexia com os seus dez salários mínimos a cada dia que passa ou para o Soares com o seu aumento salarial de 46% num ano dizem-nos que é mérito deles, o mérito deles é agravar a economia injusta, fazer a escolha pelos baixos salários dos trabalhadores, fazer a escolha por esmagar os seus fornecedores e, com isso, o emprego no país, fazer a escolha pelas piores práticas sociais”, acrescentou.

Catarina Martins frisou ser necessário direitos do trabalho que reponham os salários de quem trabalha e não permitam “este abuso” de tão poucos sobre tantos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sociedade

Um raríssimo Portugal

Paulo de Almeida Sande

Somos o povo acomodado, que exprime a angústia latente da bondade resignada, convencido de estar destinado à subalternidade, um povo submisso, que emula o estrangeiro e desdenha o nacional. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site