Logo Observador
Paquistão

Paquistão. 20 mortos em ataque a santuário Sufista

De acordo com o chefe da polícia da região de Punjab, Zulfiqar Hameed, foram detidos três suspeitos, incluindo o responsável daquele santuário.

O Sufismo é uma corrente mística e pacífica do Islão que é considerada herética pelos grupos islamitas radicais como os Talibã ou o Estado Islâmico

AFP/Getty Images

Pelo menos 20 pessoas morreram e quatro ficaram feridas este domingo no Paquistão, na sequência de um atentado a um santuário Sufista (uma corrente mística e pacífica do Islão que é considerada herética pelos grupos islamitas radicais como os Talibã ou o Estado Islâmico). Segundo a AFP, o Santuário de Mohammad Ali foi invadido por homens que empunhavam bastões e facas.

De acordo com o chefe da polícia da região de Punjab, Zulfiqar Hameed, foram detidos três suspeitos, incluindo o responsável daquele santuário.

“O zelador do santuário, Abdul Waheed, de 50 anos, confessou que matou estas pessoas porque tinha medo que elas o viessem matar”, afirmou o responsável da polícia. “O suspeito parece estar paranoico e psicótico, ou então [o crime] pode estar relacionado com rivalidades pelo controlo do santuário”, acrescentou.

A agência explica ainda que o Paquistão foi, durante séculos, dominado pela corrente Sufista. No século XIII, os viajantes sufistas que se espalharam pela Ásia ajudaram a espalhar esta corrente mística do Islão, que ainda hoje tem muitos seguidores.

No entanto, as visões conservadoras daquela religião praticadas mais recentemente, bem como o surgimento de grupos radicais que se baseiam na interpretação literal da sharia (a lei islâmica), têm motivado a perseguição destes grupos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
África

Herança de injustiças

Térsio Vieira

25 de Maio de 1963 jamais será esquecida pelos africanos porque contribuiu decisivamente para abolir a marginalização e a escravatura que marcaram profundamente a vida de milhões ao longo dos séculos.