Desemprego

Subida do salário mínimo está a travar emprego em Portugal, diz chefe de missão do BCE

498

Num relatório que analisa o desemprego em Portugal, a chefe de missão pelo BCE defende que as subidas do salário mínimo (em relação ao salário médio) estão a fazer aumentar o desemprego no país.

AFP/Getty Images

As subidas do salário mínimo (em relação ao salário mediano) estão a fazer aumentar o desemprego no país. Esta é a conclusão de um relatório de Isabel Vansteenkiste, chefe de missão pelo Banco Central Europeu (BCE) para Portugal, publicado esta segunda-feira no site do BCE.

O relatório procura saber até que ponto “a crise deixou cicatrizes permanentes no mercado laboral português”, recorrendo para isso a um indicador conhecido como a curva de Beveridge (um rácio entre a taxa de desemprego e o número de ofertas de emprego). A partir desse indicador, a economista belga defende que os vários aumentos de salário mínimo, em relação ao salário médio, nos últimos 9 anos, agravaram a taxa de desemprego em quatro pontos percentuais.

Nas conclusões do relatório, a economista diz que em Portugal o emprego foi penalizado, desde 2008, pela inversão (negativa) do ciclo económico, isto é, a recessão, pela crise no setor da construção e pelo salário mínimo relativamente elevado, em relação ao salário mediano.

No início do programa da troika, houve um acordo de concertação social para congelar o salário mínimo em 485 euros por mês, nível onde se manteve até outubro de 2014. Nessa altura, aumentou para 505 euros por mês. “Mas entre 2008 e 2011 o salário mínimo tinha aumentado uma série de vezes, o que provocou um aumento do rácio entre o salário mínimo e o salário mediano, durante esse período” — segundo a economista, esse aumento no período entre 2008 e 2011, durante a governação de José Sócrates, contribuiu para um aumento da taxa de desemprego de cerca de dois pontos percentuais.

Depois, no período do resgate, com o salário mínimo congelado, houve uma queda do salário mediano, o que fez agravar o rácio em mais dois pontos percentuais. Os dados analisados por Isabel Vansteenkiste já não incluem as subidas do salário mínimo de 2016 e 2017. A economista defende que sem estes aumentos do salário mínimo, a taxa de desemprego de 2016 poderia ter-se aproximado dos 7%. Estamos no início de 2017 e a taxa ainda está nos 10%.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Incêndios

Os escombros de Costa

Maria João Marques
1.337

Pior foi o ar sobranceiro, frio e robótico de Costa na sua declaração ao país na segunda feira. Conseguiu até exibir, após responder a uma pergunta, um meio sorriso de contentamento consigo próprio.

Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site