Logo Observador
Ministério da Educação

Queima. Governo abre inquérito a alegados abusos

Inspeção-Geral de Educação e Ciência vai investigar "no âmbito das suas funções legais" os alegados abusos a estudantes cometidos durante os festejos das Queima das Fitas em Braga e no Porto

PAULO NOVAIS/LUSA

A Inspeção-Geral de Educação e Ciência vai analisar, no “âmbito das suas funções legais”, os dois casos de alegados abusos a estudantes nas cidades do Porto e Braga, a pedido do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

Em comunicado, Manuel Heitor “repudia veementemente” os casos que aconteceram nos festejos académicos das duas cidades, e que foram ambos publicados nas redes sociais, lançando um apelo aos dirigentes académicos e estudantis para que se “mobilizem” e “dignifiquem a integração dos estudantes no ensino superior”, defendendo que os eventos, celebrações e festas de estudantes não devem servir para “promover a humilhação com tradição académica”, mas sim para “estimular oportunidades para impulsionar boas práticas de integração dos estudantes com mais cultura”.

PJ investiga vídeo de “alegado abuso sexual” num autocarro, ERC abre processo

Para o ministro, toda a comunidade académica deve travar um “combate diário” a situações como aquelas que chegaram à comunicação social através de vídeos gravados no próprio local onde terão acontecido os abusos e defendeu a “promoção da liberdade e emancipação dos jovens e a sua integração no ensino superior”.

Um dos vídeos em causa foi gravado num autocarro do Porto após uma noite da Queima das Fitas, onde uma rapariga que aparenta estar alcoolizada sofre alegadamente abusos de um rapaz: o outro vídeo envolve uma aluna da Universidade do Minho, filmada seminua na semana académica.

O ministro espera obter, como esta investigação, uma leitura “mais detalhada” dos casos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: afranca@observador.pt
Livros

Por uma questão de sobrevivência

Luísa Graça, Paula Cristina Marques Silva, Maria Elisabete Lima, Maria Isabel de Magalhães Pacheco e outros

Este texto é mais do que uma carta aberta – é uma manifestação desesperada de milhares de microempresas que o Governo insiste em ignorar.

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.