Logo Observador
Sondagens

Sondagem. PS chega aos 40%, PSD mantém-se nos 29%

524

Socialistas a crescer nas intenções de voto e sociais-democratas a estabilizar. É o que mostra a sondagem de junho da Eurosondagem divulgada pela SIC e Expresso. Marcelo e Governo mais populares.

Tiago Petinga/LUSA

Se em maio, o barómetro da Eurosondagem dava PS e PSD separados por 10 pontos, com os dois partidos a estabilizarem nas intenções de voto face ao mesmo barómetro do mês passado, agora o PS ganha algum terreno enquanto o PSD se mantém na mesma marca. Com uma percentagem de intenção de voto a atingir o marco dos 40%, o PS está agora a 11 pontos de distância do PSD, que se mantém nos 29%.

Segundo avança o jornal Expresso, a última sondagem dá conta de que além do PS, que subiu um ponto face ao mês passado, só o PAN é que teve uma curva ascendente, com mais 0,5 pontos percentuais em relação ao mês passado, estando agora 1,7% de intenções de voto. De resto, todos os partidos desceram nas intenções de voto (à exceção do PSD que manteve).

O Bloco de Esquerda desceu 0,4 pontos percentuais, registando 8,6% de intenções de voto, a CDU baixou ligeiramente para os 7,5% (perdeu apenas 0,1 pontos percentuais), e o CDS perdeu 0,5 pontos percentuais, registando agora 6,4% das intenções de voto.

Já quanto à popularidade, Jerónimo de Sousa e Pedro Passos Coelho foram os que mais subiram (1,4 pontos percentuais e 0,7 pontos respetivamente), mas é Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa que se mantém com maiores índices de popularidade. O Presidente da República lidera com 60,6 pontos de popularidade, seguido de Costa com 34,8. Passos está nos 11,1 pontos. Catarina Martins foi a que registou a maior queda, com menos 2,3 pontos (estando nos 4,9 pontos positivos), e Assunção Cristas também baixou 1,5 pontos, fixando-se nos 8,8 pontos de popularidade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Minorias

O machismo militante da histeria anti xenofobia

Maria João Marques

Os que gritam xenofobia perante a mais leve crítica a certas comunidades onde os maus tratos a mulheres são inerentes à cultura que tanto defendem, fizeram a sua escolha: apoiar a opressão de mulheres

Minorias

O machismo militante da histeria anti xenofobia

Maria João Marques

Os que gritam xenofobia perante a mais leve crítica a certas comunidades onde os maus tratos a mulheres são inerentes à cultura que tanto defendem, fizeram a sua escolha: apoiar a opressão de mulheres