Jogos Santa Casa

Portugueses gastaram 1,5 mil milhões de euros nos Jogos Santa Casa em seis meses

Nos primeiros seis meses do ano, os portugueses gastaram 1,5 mil milhões de euros nos Jogos Santa Casa. A raspadinha e o Euromilhões continuam a ser os mais populares.

O valor registado nos primeiros seis meses do ano é superior ao do ano passado

Lusa

Nos primeiros seis meses do ano, as vendas brutas dos Jogos Santa Casa atingiram os 1,5 mil milhões de euros, refere o Diário de Notícias. O valor é muito superior aos 1.359,6 milhões de euros registados durante o mesmo período em 2016.

Este aumento deve-se, sobretudo, a um interesse cada vez maior no Placard e nas raspadinhas. Estes são, aliás, os únicos jogos cujas vendas têm vindo a subir nos últimos cinco anos. De acordo com o Diário de Notícia, as lotarias, o Totobola, o Totoloto, o Joker (entretanto suspenso) têm vindo a registar uma diminuição nas receitas. Até as vendas do Euromilhões caíram, apesar de este continuar a ser um dos jogos favoritos dos portugueses e Portugal um dos países onde mais se aposta.

Santa Casa. Prémios acima de 2.000 euros obrigam a mais dados pessoas

Dos nove Jogos Santa Casa disponíveis, o mais jogado continua a ser a raspadinha. Segundo os números avançados pelo Diário de Notícias, até junho, os portugueses gastaram 723,1 milhões de euros em raspadinhas. O número é bem superior ao registado no período homólogo de 2013 — 287,5 milhões de euros –, o que mostra bem a popularidade do jogo.

Os prémios pagos do Placard e da raspadinha também tem vindo a subir: até junho, foram pagos 187,9 milhões de euros e 455,7 milhões de euros aos apostadores, respetivamente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Governo

A plateia dos patetas

Maria João Avillez

Um misto de leveza, manha, irresponsabilidade. Uma manipulação a partir do palco do poder para a plateia de patetas onde quem não é da geringonça é suposto estar sentado.

Agências de Rating

De BB+ para BBB-

Luís Aguiar-Conraria

A procissão ainda vai no adro. Para a Fitch e a Moody’s a dívida portuguesa anda é investimento especulativo. E, enquanto estivermos muito endividados, estaremos sujeitos aos maus humores dos mercados

Fernando Medina

Síndrome de Lisboa

Maria João Marques

O carro é um meio de transporte legítimo, os proprietários pagam impostos, pelo que têm direito a usá-lo quando assim lhes for mais confortável e conveniente, sem serem demonizados pelo edil lisboeta.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site