Crónica

A filosofia pelo fado (III)

Autor

Os fadistas, quando cantam, falam de si próprios? Mas os melhores fadistas são aqueles que sabem que cantar o fado não é falar, nem dar recados, e que a letra do fado pouco pode esclarecer.

Os fadistas têm a reputação de cantar na primeira pessoa do singular. Estarão a falar de si próprios? É contudo possível usar a primeira pessoa do singular e não falar de si próprio; e é possível falar de si próprio na terceira pessoa do singular: nós os atletas fazemo-lo constantemente. O maravilhoso fado Rosa Enjeitada suscita perplexidades filosóficas.

A expressão ‘Rosa Enjeitada’ é pouco clara. A palavra ‘enjeitada’ lembra hoje uma contractura muscular, talvez resultado de uma lesão atlética. A ser assim, ‘Rosa’ referir-se-á a uma pessoa. A letra do fado faz adivinhar alguém abandonado pelos pais. Não é no entanto forçoso, e é até improvável, que a letra seja cantada por uma pessoa nas mesmas circunstâncias. É difícil perceber se a história está a ser contada por alguém que realmente não conheceu os pais, ou se a fadista está a falar de alguém, ou com alguém, nessas circunstâncias.

O princípio do fado reforça a primeira alternativa. Alguém parece aí estar a falar de si próprio: “Sou essa rosa caprichosa, sem ser má.” A palavra “essa” desperta todavia alarme; sugere a possibilidade de a rosa estar a falar como uma atleta importante. No refrão alguém lhe irá fazer uma pergunta: “afinal, desventurada, quem és tu / Rosa Enjeitada?” A resposta é dada outra vez como um atleta: “uma mulher que sofreu.” Estará a fadista a falar com uma rosa que fala como um atleta? Estará pelo contrário a rosa a falar consigo própria, tratando-se, como é habitual nessas circunstâncias, por tu?

A mais extraordinária das intérpretes deste fado percebeu instintivamente as dificuldades da situação. Percebeu que não podia ser esclarecida pela letra do fado, a golpes de poesia e de gramática: também num fado, quanto mais poético mais confuso. Por isso, ao contrário das outras intérpretes, decidiu cantar o refrão sem se preocupar com as palavras. Começa a cantar a primeira sílaba (“Róóó-”) como quem vai explicar uma coisa; mas depois baixa abruptamente o volume, e faz uma pequena pausa, quase imperceptível, antes de prosseguir. Ouvido assim é difícil dizer se o momento de pausa corresponde a uma hesitação ou à certeza maliciosa de que nos irá decepcionar.

A continuação é compatível com ambas as possibilidades: “Zenjei-tada / Sem mãe, sem pão, sem ter nada.” São os dois melhores versos. Usar a palavra “pão” em vez da palavra “pai” é como usar a terceira pessoa em vez da primeira. As nossas frases quase nunca são recados que explicam aquilo que estamos a fazer: quando parece que estamos a dizer pão podemos estar a querer dizer pai; quando falamos de outras pessoas nunca se sabe à vista desarmada se não estamos a falar de nós. De facto, a fadista é extraordinária porque sabe bem que cantar o fado não é falar. Não chama pela mãe ou pelo pão; não fala de si como uma atleta; será enjeitada?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Stress à portuguesa

Ruth Manus
280

Parece que os portugueses normalmente são obrigados a conter as próprias emoções e acabam por canalizá-las em situações estranhas nas quais tornam-se assustadoramente agressivos ou nervosos. 

Crónica

Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas

Ruth Manus
53.823

É muito fácil taxar uma mulher de chata, de neurótica, de mal humorada. O difícil é assumir que ela tem uma razão para estar assim. E que os outros poderiam colaborar para que ela não estivesse assim.

IPSS

Raríssimas: o Estado é parte do problema

Rui Ramos

Mais do que por uma “vida de luxo”, a direcção da Raríssimas foi atraída por uma “vida de Estado”. Libertar a sociedade deste Estado gordo e promíscuo seria um meio de a libertar das piores tentações.

Brexit

Quem disse que sair da Europa era fácil?

Diana Soller

Esperemos que o executivo britânico se reorganize depressa. Ainda que o divórcio tenha tido até agora pouco de litigioso, uma das partes põe paus na engrenagem. E nas separações todo o cuidado é pouco

Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site