Crónica

A filosofia pelo fado (III)

Autor

Os fadistas, quando cantam, falam de si próprios? Mas os melhores fadistas são aqueles que sabem que cantar o fado não é falar, nem dar recados, e que a letra do fado pouco pode esclarecer.

Os fadistas têm a reputação de cantar na primeira pessoa do singular. Estarão a falar de si próprios? É contudo possível usar a primeira pessoa do singular e não falar de si próprio; e é possível falar de si próprio na terceira pessoa do singular: nós os atletas fazemo-lo constantemente. O maravilhoso fado Rosa Enjeitada suscita perplexidades filosóficas.

A expressão ‘Rosa Enjeitada’ é pouco clara. A palavra ‘enjeitada’ lembra hoje uma contractura muscular, talvez resultado de uma lesão atlética. A ser assim, ‘Rosa’ referir-se-á a uma pessoa. A letra do fado faz adivinhar alguém abandonado pelos pais. Não é no entanto forçoso, e é até improvável, que a letra seja cantada por uma pessoa nas mesmas circunstâncias. É difícil perceber se a história está a ser contada por alguém que realmente não conheceu os pais, ou se a fadista está a falar de alguém, ou com alguém, nessas circunstâncias.

O princípio do fado reforça a primeira alternativa. Alguém parece aí estar a falar de si próprio: “Sou essa rosa caprichosa, sem ser má.” A palavra “essa” desperta todavia alarme; sugere a possibilidade de a rosa estar a falar como uma atleta importante. No refrão alguém lhe irá fazer uma pergunta: “afinal, desventurada, quem és tu / Rosa Enjeitada?” A resposta é dada outra vez como um atleta: “uma mulher que sofreu.” Estará a fadista a falar com uma rosa que fala como um atleta? Estará pelo contrário a rosa a falar consigo própria, tratando-se, como é habitual nessas circunstâncias, por tu?

A mais extraordinária das intérpretes deste fado percebeu instintivamente as dificuldades da situação. Percebeu que não podia ser esclarecida pela letra do fado, a golpes de poesia e de gramática: também num fado, quanto mais poético mais confuso. Por isso, ao contrário das outras intérpretes, decidiu cantar o refrão sem se preocupar com as palavras. Começa a cantar a primeira sílaba (“Róóó-”) como quem vai explicar uma coisa; mas depois baixa abruptamente o volume, e faz uma pequena pausa, quase imperceptível, antes de prosseguir. Ouvido assim é difícil dizer se o momento de pausa corresponde a uma hesitação ou à certeza maliciosa de que nos irá decepcionar.

A continuação é compatível com ambas as possibilidades: “Zenjei-tada / Sem mãe, sem pão, sem ter nada.” São os dois melhores versos. Usar a palavra “pão” em vez da palavra “pai” é como usar a terceira pessoa em vez da primeira. As nossas frases quase nunca são recados que explicam aquilo que estamos a fazer: quando parece que estamos a dizer pão podemos estar a querer dizer pai; quando falamos de outras pessoas nunca se sabe à vista desarmada se não estamos a falar de nós. De facto, a fadista é extraordinária porque sabe bem que cantar o fado não é falar. Não chama pela mãe ou pelo pão; não fala de si como uma atleta; será enjeitada?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Os portugueses são grosseiros?

Ruth Manus
1.624

Em Portugal eu aprendi que ser reservado pode ser um grande ato de sabedoria, ao invés de falar sobre todos os assuntos com qualquer pessoa, em qualquer circunstância.

Crónica

Profissão avós

Ruth Manus
819

Não sei se concordo com aquela história de que os avós servem para mimar e estragar, prefiro pensar que eles existem para doar-se sem limites.

Crónica

A estranha geração dos adultos mimados

Ruth Manus
191.403

O fato de termos sido criados com cuidado e afeto pelos nossos pais, começou a confundir-se com uma espécie de sensação de que todos devem nos tratar como eles nos trataram.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site