Cerca de um 1,8 milhões de portugueses adultos têm comportamentos e visões anti-semitas, ou seja, 21% da população adulta, revela um estudo da Anti-Difamation League (ADL) divulgado esta quarta-feira.

No estudo, realizado a nível mundial, 49% dos inquiridos portugueses declararam que pensam que os judeus ainda falam demasiado sobre o Holocausto e 45% que os judeus têm demasiado poder no mundo empresarial.

Em Portugal, foram questionadas 503 pessoas através de telefone. Destes, 372 consideram que o Holocausto aconteceu tal como tem sido veiculado pela História e que foram mortos cerca de seis milhões de judeus, enquanto 55 pessoas dizem achar que o número de pessoas assassinadas foi largamente exagerado.

A nível europeu, é na Grécia que se regista a percentagem mais elevada de população com atitudes anti-semitas: 69%. Segue-se a França com 37%, o que representa perto de 18 milhões de pessoas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As maiores percentagens de anti-semitismo são, contudo, no Médio Oriente e Norte de África, destacando-se os territórios da Palestina (93%), o Iraque (92%) e o Iémen (88%).

No conjunto dos 102 países visados pelo estudo – onde foram feitas mais de 50 mil entrevistas -, 26% dos adultos têm visões anti-semitas, ou seja, estima-se que seja mais de um bilião de pessoas no total. Dos entrevistados, perto de 24 mil revelaram nunca ter ouvido falar do Holocausto.