Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Com o diploma na mão, alguns recém-licenciados escolhem (ou veem-se forçados) a mudar de cidade. O LinkedIn, uma rede social orientada para facilitar os contactos sociais e as oportunidades de trabalho, analisou a sua gigantesca base de dados (em abril deste ano a empresa anunciou ter chegado ao marco dos 300 milhões de utilizadores) para saber para onde vão estes graduados e chegou a uma lista das cidades mais atrativas para quem sai da universidade.

Para chegar a este ranking, o LinkedIn seguiu o rasto de recém-licenciados (utilizadores que indicaram ter deixado a última escola que frequentaram nos três anos anteriores) e contabilizou as cidades de destino mais escolhidas. Só foram consideradas as mudanças que implicaram deslocações para cidades a mais de 160 km de distância do local de origem.

De acordo com os dados analisados entre novembro de 2012 e novembro de 2013, o primeiro lugar na lista é ocupado, sem surpresas, por Paris. As cidades que se seguem são mais inesperadas. Washington e Minneapolis, nos EUA, surgem em segundo e em terceiro lugar, respetivamente. O quarto lugar cabe à capital de um país onde a taxa de desemprego é historicamente elevada e se situa, atualmente, nos 27%: Madrid.

Mas o LinkedIn quis ir mais longe e reuniu informação que lhe permite perceber de onde chegam aqueles que se deslocam para as cidades mais atrativas. No ranking das cidades cuja atratividade tem um alcance maior, Nova Iorque surge destacada das restantes. À Big Apple chegam pessoas de todo o mundo e de todos os grupos sociais. Minneapolis – que tinha ficado bem posicionada no ranking anterior – recebe essencialmente jovens que terminaram os cursos em cidades próximas como o Wisconsin ou o Minnesota. A Paris chegam muitas pessoas originárias de Lyon, Lille ou de Londres.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A China tem ainda pouca expressão no LinkedIn, o que significa que os dados analisados são provavelmente mais representativos dos EUA e de outros países. É importante referir que 67% dos utilizadores desta rede social estão fora dos Estados Unidos.

Ficou interessado? Consulte aqui os dois rankings.