Rádio Observador

Mundial 2014

Adidas decide depois do Mundial se patrocínio a Suárez se mantém

A Adidas só vai decidir depois do Mundial se continua ou não a patrocinar Luis Suárez, que entretanto perdeu o apoio de uma marca de póquer. Mas terá sido a dentada do uruguaio má publicidade?

Suárez e a Brazuca: duas estrelas da Adidas

EMMANUEL DUNAND/ AFP/Getty Images

A Adidas anunciou esta sexta-feira que, uma vez concluído o Mundial, analisará a continuação do patrocínio a Luis Suárez, o jogador uruguaio que mordeu o italiano Chiellini na terça-feira e foi punido pela FIFA com nove jogos e quatro meses de suspensão na quinta. Para já, a marca suspendeu todas as campanhas em curso que envolviam Suárez. O site de póquer online 888.com foi o primeiro patrocinador de Suárez a cortar as relações negociais com o jogador.

“A Adidas apoia completamente a decisão da FIFA. A Adidas de nenhuma forma compactua com o comportamento de Luis Suárez e vamos uma vez mais relembrá-lo dos padrões elevados que esperamos dos nossos jogadores. Não temos planeado usar Suárez em mais nenhuma atividade de marketing durante o Mundial 2014. Vamos discutir todos os aspetos da nossa futura parceria diretamente com Suárez e a sua equipa, após a competição”, escreveu a marca em comunicado.

A seguir à mordidela de Suárez, as imagens de pessoas a deixarem-se ‘mordiscar’ pelo uruguaio – que é estrela de um cartaz da Adidas – tornaram-se virais.

Mas terá isto sido necessariamente mau para a marca alemã? “A maneira como os fãs de futebol estão a posar com este anúncio com Suárez é ótima e provavelmente não é o marketing que a Adidas tinha em mente”, disse Rebecca Ruiz, jornalista, no Twitter.

Essa rede social tem sido, aliás, palco de uma das maiores disputas do Mundial: a do marketing dos patrocinadores do Campeonato do Mundo de Futebol. O Mundial 2014 deverá ser o evento a originar mais tweets de sempre, ultrapassando os 150 milhões que foram escritos durante os Jogos Olímpicos de 2012, em Londres.

E, neste campo, a Adidas e a Nike têm uma competição muito própria: a marca alemã é patrocinadora do Mundial desde 1970, mas a Nike conseguiu melhores resultados de marketing em redes sociais na prova de 2010, na África do Sul. Fazendo uma análise à presença de ambas as marcas no Twitter (utilizámos o Tweetchup para as contas @adidasfootball e @nikefootball), percebe-se que a Nike tem cerca de 760 mil seguidores (2.063.017) a mais do que a Adidas (1.304.958), número que aumentou muito desde o início do Mundial. Também nos retweets a marca americana bate a alemã: são 104.302 as vezes que os utilizadores partilham as mensagens da Nike com os seus seguidores face a 91.134 da Adidas.

Análise à Adidas

A análise à conta da Adidas

Nike

A análise à conta da Nike

“A Nike é vista por muita gente como uma patrocinadora apesar de eles não estarem a gastar tanto como a Adidas está a fazer com a FIFA”, afirmou à Reuters Opher Kahane, da empresa Origami Logic, especialista em marketing nas redes sociais para as grandes marcas – incluindo a Visa, também patrocinadora do Mundial.

A Adidas procura responder a este ganho de popularidade da Nike desmultiplicando-se em contas no Twitter. Além de versões próprias da @adidasfootball para cada país, a marca lançou também a conta da Brazuca, a bola oficial do torneio, para a qual trabalham 50 pessoas numa sala do clube brasileiro Flamengo. A @brazuca tem 2,38 milhões de seguidores e fala em várias línguas e, até, com algum humor.

As redes sociais “são a plataforma-chave para nós nos ligarmos ao nosso público-alvo, o adolescente futebolista”, explica Tom Ramsden, diretor de marketing da Adidas. Apesar de alguma perda face à companhia americana, esta marca de equipamento desportivo é, ainda assim, a patrocinadora oficial do Mundial com buzz nas redes sociais: tem 67 mil menções face às 40 mil da Sony e às 36 mil da Coca-Cola.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)