O presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, empossou esta quinta-feira Domingos Simões Pereira como primeiro-ministro e pediu-lhe para tirar o país “da letargia em que se encontra”, conforme “é a vontade do povo”.

Numa cerimonia que acabou por ser no Palácio da Presidência, quando tinha sido anunciada para o Parlamento, José Mário Vaz fez um discurso breve no qual desejou “boa sorte” ao novo primeiro-ministro, com quem se disponibilizou para cooperar.

“O país encontra-se numa insustentável letargia pelo que é imperioso que apresente com maior brevidade possível a proposta do elenco governamental com o qual pretende honrar os compromissos assumidos com o povo” guineense, disse José Mário Vaz.

Em resposta, Domingos Simões Pereira disse que vai apresentar as linhas gerais da sua governação no momento da tomada de posse do seu elenco governamental, que pode ser ainda hoje à tarde.

Para já, o novo primeiro-ministro guineense diz ser conhecedor da “situação de dificuldade” em que o país se encontra e também da responsabilidade que é ser chefe do governo.

“A partir de hoje começa a tocar, no sentido regressivo, o relógio para num período de quatro anos mudarmos a sorte e o destino desta Nação”, observou Simões Pereira.

O presidente guineense prometeu “disponibilidade pessoal e institucional” para acompanhar o primeiro-ministro para que este possa materializar o seu programa de governo.

José Mário Vaz diz acreditar nas capacidades de Domingos Simões Pereira pela “experiencia e o prestígio internacional acumulados” para transformar a Guiné-Bissau “numa Nação próspera e desenvolvida”.

Assistiram a cerimónia de investidura do novo primeiro-ministro guineenses, elementos do corpo diplomático, representantes de organizações internacionais e alguns membros do Governo de transição.