Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um menino de 11 anos poderá ter criado alergia ao iPad por culpa do níquel presente no aparelho, avança o jornal americano Pediatrics. O rapaz ganhou erupções cutâneas em todo o corpo. Foi recebido no Hospital de San Diego, Califórnia (EUA), onde fez o teste de alergia ao metal de cor branca-prateada, que deu positivo. O aparelho eletrónico foi também submetido ao teste, que deu igualmente positivo. Segundo o Washington Post, os médicos associaram imediatamente a reação da pele ao uso do iPad, depois de a criança ter admitido usar o aparelho com “muita frequência” há seis meses.

O menino foi aconselhado a usar uma Smart Case [um acessório que protege o iPad e bloqueia o contacto direto do material com a pele]. Depois de usar a capa do aparelho, que só deixa o ecrã desprotegido, as erupções “melhoraram muito”. Mas o caso não é único. Em 2012, o Daily Mail revelou a história de uma mulher que diz ter sofrido uma reação alérgica ao iPhone 4.  Jenny Taylor, 30 anos, explicou que as erupções começaram depois de estar a falar ao telemóvel. A alergia ao aparelho da marca, conta, começou na orelha e alastrou pelo rosto e pescoço. Fonte da empresa disse à Associated Press que não fazia comentários sobre a polémica. De acordo com o jornal americano de pediatria, a alergia ao metal pode provocar intoxicações alimentares, febre, insónias e náuseas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR