MH17

Afinal, morreram apenas seis investigadores e ativistas da SIDA na Ucrânia, mas a perda é significativa

Pensou-se que seriam 100 os investigadores a perder a vida na queda do MH17 na Ucrânia, um número entretanto revisto. Ainda assim, a comunidade científica fala em "retrocesso" na luta contra a doença.

A conferência da SIDA começa ensombrada pela queda do MH17

Graham Denholm/Getty Images

Pelo menos seis pessoas ligadas à investigação científica da SIDA e aos direitos e qualidade de vida dos pacientes morreram na queda do voo MH17, na Ucrânia. Inicialmente, os organizadores da conferência anual de luta contra a doença tinham dito que eram mais de 100 os cientistas e ativistas mortos no desastre aéreo, mas esse número foi revisto em baixa.

“O número que nos foi confirmado através de contactos com as autoridades australianas, malaias e holandesas é de seis pessoas. Poderá ser um pouco superior, mas não tão elevado como os números que foram anunciados”, explicou Françoise Barré-Sinoussi, presidente da Sociedade Internacional da SIDA.

As pessoas mortas são Joep Lange, ex-presidente da Associação Internacional da SIDA e um dos investigadores que liderava a comunidade científica na pesquisa do vírus VIH; Pim de Kuijer, da organização Stop Aids Now!; Jacqueline van Tongeren, do Instituto para a Saúde Global e Desenvolvimento de Amesterdão; Lucie van Mens, da AIDS Action Europe; Maria Adriana de Schutter, da mesma organização e Glenn Thomas, ex-jornalista da BBC atualmente a trabalhar para a Organização Mundial de Saúde.

“A magnitude da nossa perda é difícil de compreender e expressar. Estamos enlutados tal como todos aqueles que perderam amigos e familiares nesta tragédia sem sentido”, afirmou Françoise Barré-Sinoussi. A conferência de luta contra a SIDA começa este domingo e dura até à próxima sexta-feira, 25 de julho, reunindo mais de 14 mil cientistas, ativistas e políticos em Melbourne, na Austrália. A morte destes investigadores foi classificada pela Associação Médica da Austrália como “um retrocesso significativo” na luta contra a doença.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Medicina

Reflexões de um jovem médico dentista

Luís Pereira Azevedo

77% dos Médicos Dentistas formados há menos de 2 anos têm uma remuneração inferior a 1500 euros brutos mensais. É grande a situação de precariedade e incerteza com que a profissão atualmente se depara

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)