Obrigado por ser nosso assinante. Não se esqueça de subscrever a nossa Newsletter exclusiva dos bastidores.

Há mais europeus a pedir empréstimos, sobretudo para comprar carros. Em 2013, os créditos concedidos na Europa aumentaram 1,5% face ao ano anterior e atingiram um valor total de 321,7 mil milhões de euros, segundo a informação revelada esta terça-feira pela European Federation of Finance House Associations (Eurofinas).

O setor que mais contribui para o crescimento do número de créditos foi o automóvel, com destaque para o aumento no financiamento dos veículos particulares. Os empréstimos para comprar viaturas novas aumentaram 10,2% e os que se destinaram aos carros usados cresceram 9,8%. A compra a crédito de veículos como caravanas ou motos caiu 0,7% face a 2012.

Na categoria de crédito ao consumo, o registo de novos negócios de crédito pessoal caiu 6,4% em relação a 2012 e o de revolving, aquele que está associado aos cartões de crédito, por exemplo, caiu 4,4%.

Os mercados do Norte da Europa foram aqueles que tiveram um melhor desempenho: o número de créditos concedidos cresceu 10%. “No seu todo, os resultados de 2013 refletem a melhoria da situação económica, mesmo nas economias mais vulneráveis. Assistimos a um aumento gradual da procura interna que nos parece mais estável do que as melhorias verificadas em 2011”, afirma Valentino Ghelli, presidente da Eurofinas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Fim do ano ampara queda no financiamento automóvel

Em Portugal, o número de créditos concedidos cresceu 4,2% em 2013 e atingiu os 3,6 mil milhões de euros, segundo a informação divulgada pela Associação para as Instituições de Crédito Especializado (ASFAC), em abril.

A subida foi suportada pelo aumento do crédito revolving e do crédito stock (a fornecedores), que cresceram 11,2% e 10,6%, respetivamente. Já o crédito clássico, onde se insere o financiamento automóvel e o pessoal, caiu no geral 8,2%. Dentro deste segmento, o número de créditos concedidos para adquirir meios de transporte desceu 1,1% em 2013, uma queda que foi amparada, sobretudo, pelo crescimento de 18,8% da atividade do setor no quarto trimestre do ano.