Rádio Observador

Diplomacia

Novo banco dos BRICS é um sinal de falhanço do FMI

Diretor da revista The Banker afirma que a criação do banco "foi também motivada por uma crise mais genérica do multilateralismo e pela continuada ação dos Estados Unidos".

Líderes dos BRICS anunciaram na semana passada a criação do Novo Banco de Desenvolvimento

ALEXANDER JOE/AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

O diretor da revista “The Banker” considera que o novo banco dos países que compõem os BRICS “é o maior sinal até agora da mudança na estrutura mundial de poder e o falhanço das instituições multilaterais como o FMI”. Num artigo publicado nesta terça-feira na edição online, o diretor da publicação do grupo do Financial Times escreve que “ao estabelecerem o Novo Banco do Desenvolvimento, as economias do Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul [BRICS] deram o maior empurrão rumo à redefinição da ordem económica mundial”.

No artigo, Brian Capler acrescenta que a criação do banco “foi também motivada por uma crise mais genérica do multilateralismo e pela continuada ação dos Estados Unidos, que forçam a sua política externa aos outros através da aplicação de sanções”. Juntam-se outras razões, como as preocupações “sobre os efeitos nocivos para os mercados emergentes da política monetária norte-americana”, principalmente no que diz respeito aos efeitos da retirada dos estímulos à economia – ‘quantitative easing’, no original em inglês, acrescentou.

O grupo dos BRICS anunciou na semana passada a criação do Novo Banco de Desenvolvimento, cuja sede será em Shangai e a primeira presidência, ocupada pela Índia, com o objetivo de mobilizar recursos para projetos de infraestruturas e desenvolvimento sustentável nos BRICS e noutras economias emergentes, tendo sido formalizado na Declaração de Fortaleza, emitida no final da VI Cimeira do grupo. “Com fundamento em princípios bancários sólidos, o Banco fortalecerá a cooperação entre os nossos países e complementará os esforços de instituições financeiras multilaterais e regionais para o desenvolvimento global”, diz a declaração.

O capital inicial autorizado do banco será de 100 mil milhões de dólares (73,7 mil milhões de euros), a que se juntam outros 100 mil milhões de dólares de reserva para serem usados caso algum dos países enfrente problemas de liquidez a curto prazo. O primeiro presidente do Conselho de Governadores será da Rússia e o primeiro presidente do Conselho de Administração, do Brasil.

Os cargos, assim como a presidência indiana, serão alternados entre os países fundadores, havendo ainda um centro regional africano na África do Sul. “Juntos devemos pensar num sistema de medidas que previnam o assédio de países que não concordam com algumas das decisões de política externa feitas pelos Estados Unidos e pelos seus aliados”, disse o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

O banco “é um sinal dos tempo, que exigem a reforma do FMI”, disse a Presidente brasileira, país que mantém há anos um diferendo com os analistas do FMI relativamente às suas contas públicas.

Um dos pontos a ver, conclui o diretor da revista ‘The Banker’, é perceber se os BRICS conseguem tabalhar juntos de forma melhor que os Estados Unidos e a Europa têm feito – ou melhor, não têm feito – com os poderes emergentes”, dado que são “países completamente diferentes, quer em termos económicos e políticos, e a única coisa que têm em comum é que são grandes e cada vez mais significantes na economia internacional”.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)