Um ex-quadro do Caixa Banco Investimento, que atuava como intermediário financeiro, e três ex-funcionários da Caixagest, sociedade gestora de vários fundos imobiliários da Caixa Geral de Depósitos (CGD), foram acusados de manipulação de mercado, em co-autoria, notícia, nesta quinta-feira, o jornal i.

Os quatro indivíduos, em conjunto, adulteraram os preços das acções do Finibanco, Cofina, Impresa, Martinfer e Sag Gest (Soluções Automóveis Globais) entre finais de 2007 e finais de 2008, ora valorizando, ora desvalorizando acções destas cinco empresas. Num processo nascido de uma investigação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os quatro ex-colaboradores são acusados pela 9.ª secção do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, conta o jornal i.

Ao terem decidido alterar as condições normais de formação de preços de acções do mercado português teriam dois objectivos: impulsionar os fundos de investimento da Caixagest e ganharem maiores comissões no final do ano – uma vez que esse valor era variável em função da performance das carteiras de títulos que geriam.

O jornal i escreve que para tal, os ex-funcionários terão delineado “estratégias que lhes permitisse limitar perdas, impedir o registar de menos valias nas carteiras por si geridas, ora fazendo subir a cotação de determinados títulos, ora não os deixando descer abaixo de determinado patamar, ora condicionando a formação do preço do fecho”.

Ao fazer isto, atrairiam compradores para os títulos, através da compra de acções em mercado, “por norma a preços superiores aos preços registados em mercado, em pequenos lotes e em quantidade total inferior à quantidade total subjacente à oferta de venda” ou “comprando quantidades muito reduzidas face ao padrão expectável para a carteira ou em pequenos lotes para posicionar a cotação num determinado patamar ou evitar a sua desvalorização.”