Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Verão. Está calor, os dias são preenchidos na praia (com férias, claro) e, portanto, com pouca roupa e muita pele à mostra. Inverno. Durante a semana, as roupas são muitas e o trabalho também, seja nos estudos ou no mundo laboral. Imagine os dois momentos captados numa fotografia: numa delas está em biquíni, com uma imagem divertida, na outra, aparece com roupa de trabalho, com um ar sério. Qual delas lhe dá um ar mais competente?

Se for mulher, a segunda. Não somos nós a dizê-lo. É um estudo, elaborado pela Universidade de Oregon, do estado da Califórnia, nos EUA. E a montra, neste caso, é o Facebook. Novidade ou não, é provável que caso opte por colocar uma fotografia sexy na sua página da rede social seja vista como “menos competente” — por outras mulheres. A conclusão é do trabalho “The price of sexy: Viewers’ perceptions of a sexualized versus a non-sexualized Facebook profile photo”, publicado na Psychology of Popular Media Culture, uma revista científica norte-americana. “As adolescentes e jovens mulheres enfrentam muita pressão para se retratarem de forma sexy, mas partilhar online fotografias sexy pode ter consequências mais negativas do que positivas”, defendeu Elizabeth Daniels, autora do estudo e professora de Psicologia na Universidade de Oregon.

Mas, primeiro, vamos à experiência. O estudo reuniu 118 mulheres — 58 adolescentes, entre os 13 e os 18 anos, e 60 mulheres, com idades entre os 17 e os 25 anos. A todas foram apresentadas duas versões de um perfil fictício de Facebook. No primeiro, a fotografia de perfil mostra uma rapariga com um vestido vermelho, decotado, e com uma racha numa das pernas, até à coxa. Esta era a versão sexy.

No segundo, o não-sexy, a mesma rapariga surgia vestida com calças de ganga, camisa de manga curta e um cachecol à volta do pescoço, que também lhe tapava parte do peito. A imagem era a única diferença entre ambos os perfis — o livro, filme e cantor preferidos, por exemplo, eram os mesmos. Às participantes, após verem cada um dos perfis, pediu-se que, numa escala de 1 a 7, apontassem o quanto concordavam com três afirmações: “Acho-a bonita”, “Penso que poderia ser minha amiga” e “Confio que ela teria capacidade para terminar uma tarefa”.

Em todas as frases, o perfil que tinha uma imagem de perfil rotulada como sexy obteve menores pontuações — e a maior diferença verificou-se na área da competência. “Isto é uma acusação clara contra as fotografias sexy que são publicadas nas redes sociais”, analisou Elizabeth Daniels, ao sublinhar a necessidade de “entender [o que as mulheres] estão a fazer online e como isso afeta a sua auto-perceção e auto-estima”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR