Está iminente um “desastre humanitário” na Somália. Quem o afirma é Bahame Tom Nyanduga, um observador das Nações Unidas (ONU), que diz que “o Mundo tem de agir já” para se evitar a repetição do que aconteceu em 2011 no país – com uma fome brutal que vitimou mais de 250 mil pessoas, das quais metade eram crianças.

“Um conflito a decorrer, pluviosidade abaixo do normal nas zonas agrícolas do país, a subida dos preços dos alimentos e o acesso limitado das agências humanitárias a algumas partes do país”, explica Nyanduga, “estão a deixar a Somália cada vez mais perto de uma insegurança alimentar e uma situação de subnutrição preocupantes”.

Segundo os números da ONU, cerca de 203 mil crianças com menos de cinco anos de idade estão “severamente” subnutridas. No total, serão mais de 2,9 milhões as pessoas que precisam de ajuda alimentar urgente, 350 mil das quais só na região da capital, Mogadíscio.

“Está a haver uma resposta desadequada a uma potencial catástrofe”, acusa Nyanduga. “Poucos anos depois de uma fome no fim da qual dissemos ‘nunca mais’, uma nova crise está a desenrolar-se à nossa frente”, afirmou Philippe Lazzarini, coordenador humanitário da ONU para a Somália, à Reuters. Segundo este responsável, com o deflagrar de conflitos como os do Sudão do Sul, de Síria ou da Ucrânia, as doações internacionais para a Somália reduziram-se drasticamente e as Nações Unidas só foram capazes de angariar um terço dos cerca de 933 milhões de dólares programados para o país durante este ano. “Se queremos cimentar a paz e evitar uma nova catástrofe apenas três anos depois da última, o que é totalmente alcançável, temos de agir agora”, reiterou.

Desde junho, já é pelo menos a terceira vez que a ONU apela à comunidade internacional por apoios para os somalis. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), é expectável que a situação da fome no país piore nos próximos meses, devido a más colheitas, causadas pela falta de precipitação, pelo disparar dos preços da comida e pela pouca quantidade de recursos alimentares armazenados.