Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

Um grupo de homens armados terá atacado uma clínica onde estavam isolados dezenas de doentes infetados com ébola na capital da Libéria, Monróvia, durante a madrugada de domingo, provocando a fuga de 17 dos 29 doentes, notícia hoje a agência de notícias francesa.

“Eles mandaram abaixo as portas e saquearam o local. Os pacientes fugiram”, afirmou Rebecca Wesseh, uma testemunha do ataque e cujo relato dos acontecimentos terá sido confirmado pelos residentes e pelo chefe da Associação de Trabalhadores de Saúde da Libéria, George Williams.

George Williams explicou por sua vez que 17 pacientes infetados com ébola fugiram durante o ataque no sábado, dos 29 que recebiam tratamento, sendo que nove já estavam mortos há quatro dias e outros três morreram no sábado.

Este ataque surge apenas um dia depois de a AFP ter noticiado protestos com centenas de pessoas a impedirem a recolha de cadáveres de alegadas vítimas de ébola por uma equipa própria, que até era escoltada pela polícia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O grupo de manifestantes invadiu então uma ala de isolamento para pacientes infetados com Ébola, libertando vários doentes que estavam isolados, enquanto gritavam que a epidemia era um embuste.

A epidemia de Ébola já terá provocado a morte a mais de 1100 pessoas na zona ocidental africana, segundo os Médicos Sem Fronteiras, mas a organização reconhece existir ainda grande incerteza em torno do número total de mortos.

Os números mais recentes da Organização Mundial de Saúde dizem que a Libéria foi o país com mais mortes derivadas da doença neste recente surto, com 413 pessoas perderem a vida devido à doença.