Um ataque aéreo israelita a uma casa em Rafah, na faixa de Gaza, matou três membros de topo da ala militar do Hamas, conhecida pelo nome de Brigadas Qassam. De acordo com o Hamas, os três pertenciam ao concelho militar das Brigadas (composto por 15 pessoas) e perderam a vida na sequência de um bombardeamento durante a noite desta quinta-feira.

O anúncio da morte dos três militares surge um dia depois de o Hamas ter afirmado que outro ataque de Israel tinha tirado a vida à mulher e ao filho de sete anos do líder do grupo, Mohammed Deif, que conseguiu escapar ao atentado.

O Hamas, que controla Gaza, já avançou os nomes dos três líderes militares mortos: Mohammed Abu Shamala, Raed al-Attar e Mohammed Barhoum, sendo que Al-Attar foi identificado como o mais velho e mais experiente dos três.

De acordo com a CNN, Israel já confirmou ter sido responsável pela morte de dois deles, Abu Shamala e al-Attar, descrevendo-os como “comandantes de topo do Hamas responsáveis pelos principais atos de terror lançados contra os israelitas”. Segundo as Forças de Defesa de Israel (IDF), al-Attar teve mesmo um “papel central” na captura do soldado israelita Gilad Shalit, em 2006, que só veio a ser libertado em 2011 na troca de mil prisioneiros palestinianos.