A Ucrânia afirmou esta quinta-feira que capturou dois blindados de uma divisão aerotransportada do exército russo durante os combates junto ao bastião separatista de Lugansk, no leste, bem como documentos que atestam a origem dos veículos.

“Nos combates perto de Lugansk, os soldados ucranianos capturaram dois blindados da divisão aerotransportada de Pskov, na Rússia. Num dos veículos encontraram um conjunto de documentos: cartas de condução e documentos militares”, disse o porta-voz do conselho de segurança e defesa nacional, Andrei Lysenko.

Os militares que tripulavam os blindados fugiram durante os combates, disse, acrescentando que “o pessoal e os veículos pertencem à unidade militar 74268 da 1.ª companhia de paraquedistas das forças aerotransportadas de Pskov”, no noroeste da Rússia.

Se estas informações se confirmarem, trata-se da primeira prova do envolvimento de forças regulares russas no conflito no leste da Ucrânia. Kiev e vários países ocidentais têm acusado a Rússia de passar armas e tropas para o leste da Ucrânia através da fronteira comum, acusação que Moscovo sempre negou.

Um dirigente separatista afirmou, na semana passada, que recebeu reforços – 1.200 homens treinados na Rússia e dezenas de blindados -, o que foi confirmado pelo presidente ucraniano, Petro Poroshenko. A Rússia negou essa informação.

No terreno, os combates em volta de Lugansk, segundo maior bastão dos separatistas pró-russos, aumentaram de intensidade nas últimas horas. Segundo um porta-voz das milícias separatistas em Lugansk, a cidade está praticamente destruída e dois terços da população, 400.000 pessoas antes do início do conflito, abandonou a cidade, capital da região homónima.

“Da cidade não resta praticamente nada: metade dos edifícios foram destruídos ou danificados, não há eletricidade nem água potável”, disse o porta-voz à agência Interfax.

Em Donetsk, o principal bastião dos separatistas pró-russos, os bombardeamentos de quarta-feira mataram 43 civis, segundo as autoridades locais. Em Ilovaysk, um importante nó ferroviário a leste de Donetsk, 16 militares ucranianos morreram nos combates dos últimos dois dias, segundo um conselheiro do Ministério do Interior, Anton Geraschenko.

O conflito no leste da Ucrânia, iniciado há quatro meses, já fez mais de 2.200 mortos e mais de 400.000 refugiados, segundo a ONU.