Startups

Como fazer com que as meninas gostem de engenharia? Construindo brinquedos

229

São brinquedos dirigidos a meninas. Não, não são bonecas. São kits com peças em tons pastel para que, eventualmente, as meninas ganhem o gosto pela construção e acabem por estudar engenharia.

Empreendedoras norte-americanas lançam kit para interessar as raparigas pela engenharia

JIM WATSON

Alice Brooks e Bettina Chen conheceram-se em 2010, quando estavam a tirar o mestrado em engenharia na Universidade de Stanford. Mecânica e elétrica, respetivamente. Na altura, ambas as estudantes se questionaram sobre o porquê de existirem tão poucas raparigas a estudar engenharia. E chegaram a uma conclusão, explica o Wall Street Journal.

Alice e Bettina cresceram rodeadas de brinquedos que as encorajavam a construir e criar coisas novas, em vez de os tradicionais brinquedos associados às raparigas. Alice, de 26 anos, lembra-se de ter recebido uma serra pelo Natal quando tinha 8 anos, o que lhe permitiu “construir bonecas com madeira, pregos, pude pintá-las, aprendi com os meus erros e pude criar bonecos melhores”.

As amigas partiram deste princípio para darem forma a um objetivo comum: a criação de brinquedos destinados a raparigas para as fazer pensar e criar novas coisas e, eventualmente, fazer com que ganhem o gosto e acabem por estudar engenharia. Em maio de 2012 lançaram uma campanha no site de financiamento Kickstarter, para conseguirem dinheiro suficiente para a criação dos brinquedos, que seriam compostos por um conjunto de peças em tons pastel que, depois de serem montadas, vão dar origem a um edifício. Essa estrutura pode, depois, ser decorada com os enfeites incluídos no pacote, e usar o motor igualmente incluído para adicionar componentes elétricos.

brinquedos arquitectura

A ideia foi de tal forma bem recebida que, ao fim de cinco dias, já tinham o triplo do dinheiro que precisavam e a sua empresa, a Maykah Inc., recebeu inclusive donativos de business angels, investidores, que, a nível individual, decidiram participar na campanha. A empresa já planeia lançar novos produtos, denominados Roominate, em superfícies de grande distribuição, como é o caso da multinacional Toys R Us.

O feedback, dizem, não podia ser melhor. Recebem vários emails de raparigas com fotografias das suas construções. “Queremos que as meninas vejam o kit, fiquem animadas com a perspetiva de construir alguma coisa e que, no final, consigam construir algo superior ao exemplo que vem na caixa”, concluiu Alice.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)