A Alternativa para a Alemanha, que pretende que os países do euro que estão em crise, incluindo Grécia e França, abandonem a zona da moeda única europeia, conseguiu conquistar lugares no parlamento através de eleições regionais. O partido anti-euro alcançou uma votação de 10% durante o sufrágio que se realizou neste domingo no estado da Saxónia, no leste da Alemanha.

Stanislaw Tillich, que é líder de Governo na Saxónia, não excluiu, perante os resultados, fazer uma aliança de governo com a Alternativa para a Alemanha, de acordo com o Telegraph, mas Angela Merkel mostrou-se irredutível sobre a possibilidade de uma coligação destas vir a estender-se ao nível nacional. Bernd Lucke, professor de economia e presidente do partido que provocou um terramoto nas eleições regionais, qualificou o resultado alcançado como “super”, tendo em conta que a organização apenas foi fundada em 2013.

O partido democrata-cristão da chanceler alemã saiu vencedor do ato eleitoral, com 39% dos votos, mas esta foi a pior marca alcançada pela CDU desde 1990, num estado em que a organização tem ganho sempre desde a reunificação da Alemanha. Os Democratas Livres, que governaram a Saxónia até este domingo em coligação com a CDU, sofreram uma derrota pesada ao contabilizarem apenas 3,5% dos votos, nível que impede o partido de ter representação no parlamento da Saxónia.

A governação do estado germânico pode agora ser repartida entre a CDU e os sociais-democratas, que obtiveram 12,5%, o que replicaria a coligação que está no poder em Berlim. Outra possibilidade em aberto é a de uma aliança entre o partido de Merkel e os Verdes, que captaram a preferência de 6% dos eleitores.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As sondagens revelam incerteza sobre a possibilidade de o Partido Democrático Nacional, de extrema-direita, conseguir segurar os lugares que detinha no parlamento da Saxónia. O resultado estaria próximo de 5%, o limiar mínimo para, no sistema germânico, um partido conseguir obter representação parlamentar.

Nas mais recentes eleições europeias, realizadas em maio de 2014, a Alternativa para a Alemanha ganhou sete dos 96 lugares disponíveis para o país em Estrasburgo. Frauke Perry, a empresária de 39 anos que liderou a campanha do partido eurocético nas regionais da Saxónia, declarou que “a Alternativa para a Alemanha chegou à Saxónia e, mais importante, chegou à Alemanha”, de acordo com a Reuters.