António Costa criticou na segunda-feira à noite a falta de “transparência” do PS atualmente dirigido por António José Seguro, apontando o dedo aos recentes relatos de casos de militantes socialistas já falecidos que têm as quotas pagas e estão assim alegadamente aptos a votar. “Não toleramos nem podemos admitir este tipo de golpadas antidemocráticas”, disse o candidato às primárias socialistas do próximo dia 28.

Num discurso incisivo durante um jantar/comício de apoio à sua candidatura realizado no Parque de Santa Catarina, no Funchal, António Costa exigiu esclarecimentos: “Quem pagou as quotas? De onde veio o dinheiro para pagar essas quotas? Como é possível alguém se candidatar dizendo que essa é a forma de as famílias homenagearem os falecidos?”

“Não podemos continuar a permitir que dentro da nossa própria casa pessoas já falecidas tenham as quotas pagas, como se nas eleições internas do PS não votassem só os vivos. Como governamos o partido é a forma como queremos governar o país”, disse. “Temos de dar o exemplo”.

António Costa apontava desta forma o dedo à federação de Braga, ainda liderada pelo socialista Fernando Moniz, apoiante de António José Seguro, que tem sido alvo de notícias consecutivas com relatos de irregularidades na preparação dos cadernos eleitorais para as eleições federativas que arrancam esta sexta-feira.

Ainda na segunda-feira, o Jornal de Notícias dava conta de mais um caso de um falecido que estava incluído nos cadernos eleitorais daquela federação, acrescentando os dados de uma ex-militante, falecida há quase um ano, que tem as quotas em dia e que, nessa lógica, estaria apta a votar nas eleições distritais desta semana e nas primárias do fim do mês. Ontem, a Comissão de Fiscalização Económica e Financeira do PS reuniu-se de forma extraordinária para analisar as queixas de militantes que alegam, sobretudo, o pagamento de quotas por terceiros.

“Esta não é forma de honrar a história do PS e a democracia de Portugal”, rematou o candidato socialista, que também se manifestou contra o novo mapa judiciário que entrou ontem em vigor com alguns problemas de arranque.

As primárias do PS caminham para a reta final, estando já acertados os pormenores para a realização de três debates televisivos entre os dois candidatos: o primeiro na próxima terça-feira, na TVI, o segundo no dia seguinte, na SIC, e o último no dia 23, a ser transmitido na RTP.